Quintanares: Função

 

 

Poesia de Mário Quintana
Publicada em Apontamentos de História Sobrenatural
Interpretação de Milton Ferretti Jung

 

Me deixaram sozinho no meio do circo
Ou era apenas um pátio uma janela uma rua
uma esquina

 

Pequenino mundo sem rumo

 

Até que descobri que todos os meus gestos
Pendiam cada um das estrelas por longos fios invisíveis

 

E havia súbitas e lindas aparições como aquela das
longas tranças

 

E todas imitavam tão bem a vida
Que por um momento se chegava a esquecer a sua
cruel inocência do bonecas

 

E eu dizia depois coisas tão lindas
E tristes
Que não sabia como tinham ido parar em minha boca

 

E o mais triste não era que aquilo fosse apenas um
jogo cambiante de reflexos

 

Porque afinal um belo pião dançante
Ou zunindo imóvel
Vive uma vida mais intensa do que a mão ignorada
que o arremessou

 

E eu danço, tu danças e nós dançamos
Sempre dentro de um círculo implacável de luz
Sem saber quem nos olha atenta ou distraidamente
do escuro…

 

O programa Quintanares foi originalmente apresentado na Rádio Guaíba de Porto Alegre e é reproduzido aqui no Blog do Mílton Jung.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s