Quintanares: Sonomar

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung

O bom do sono é mesmo o sonomar
O sono de alto mar sem terra à vista
onde és como um barco sem barqueiro
cujo rumo é traçado pelo ar…

 

Mas no fundo do mar só tem vasos barrocos!

 

Viste? Água não tem e não tem sol nem lua.
E essa luz, que parece que flutua,
é a mesma dos lampiões de acetilene
daquela antiga, pequenina rua…

 

Mortos? Nenhum… Nem vivos… Eles são
habitantes de um trêmulo intermundo
e nunca se detém mais do que um segundo
ante o parado olhar dos escafandros.

 

E onde o relógio é um animal estranho
incompreensivel e sem nome algum
e o tempo ondeia sem medida exata
e onde nada se encontra e tudo se acha,
por que é que vieste – intruso – devassar
essas formas e faces e esse mundo

 

onde o enigma és tu?

 

Retorna, irmão:
o bom sono é mesmo o sonomar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s