Avalanche Tricolor: acabou o faz de conta

 

Fortaleza 2×1 Grêmio
Brasileiro — Arena Castelão, Fortaleza/CE

 

GRÊMIO x FORTALEZA

 

Lá se foram quase três semanas em que fizemos de conta que estávamos mesmo preocupados com o Campeonato Brasileiro. Comemoramos uma goleada, festejamos a aproximação do G4, desdenhamos de um empate e desgraçamos alguns dos nossos em duas derrotas. Criticamos bolas mal divididas, passes curtos demais, a demora para chegar na marcação e os gols desperdiçados. Cruzamos os dedos para que nenhuma lesão ocorresse e pedimos aos céus para que os lesionados se recuperassem.

 

Reclamamos do juiz e do VAR como se os erros deles mudassem nosso destino nesta temporada. Maldizemos os adversários apenas porque fizeram sua parte —- sem entender que eles não tem outra coisa a fazer neste ano do que jogar toda sua sorte e suor no Brasileiro.

 

Fizemos até projeções para a quarta-feira que vem com base no que assistimos em campo nesses dias todos —- como se não soubéssemos que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Arriscamos falar em mudança de posicionamento, troca de jogadores e experiências nunca antes experimentadas na esperança de que algo mágico seja capaz de nos garantir a classificação à final da Libertadores.

 

Passamos todo esse tempo entre uma decisão e outra com conversas diversionistas, enganando a si próprio, neste jogo de faz de conta apenas para disfarçar a tensão diante do que realmente nos interessa. E o que nos interessa é a Libertadores. É a decisão desse meio de semana que pode nos colocar em uma final inédita de jogo único, disputada em campo neutro contra um argentino qualquer que se capacite a chegar até lá, também.

 

Nada do que aconteceu nesses dias que se passaram foi suficientemente significativo para nos dar a resposta que buscamos e o resultado que almejamos. Acreditar que o intervalo entre as duas decisões seria definitivo é não entender a maneira de ser do Grêmio. Não lembrar do que já fomos capazes de fazer nesta mesma temporada.

 

Refresque sua memória. Pense nos prognósticos da fase de grupos da Libertadores quando emendamos um tropeço atrás do outro e muita gente já nos considerava carta fora do baralho. Em três jogos, apenas um ponto. Nos três seguintes, três vitórias e a classificação. Nas oitavas até que foi fácil, com um 5 a 0 contra o Libertad, no placar agregado. Nas quartas, porém, perdemos em casa, e na casa do adversário saímos atrás no placar.

 

Fizemos um primeiro jogo ruim na semifinal da Libertadores, em especial no primeiro tempo. E mesmo assim, chegamos vivos e fortes para a segunda partida, graças aquele gol aos 42 minutos do segundo tempo, de Pepê —- quando mais uma vez muita gente já previa o pior.

 

Nosso desempenho até aqui não nos dá nenhuma garantia de que seremos competentes a ponto de superar nosso adversário e sua torcida. Assim como nossos resultados até agora não dão a ninguém o direito de desmerecer nossa capacidade. Quem quiser arriscar qualquer palpite que o faça por sua conta e risco. De minha parte, estarei onde sempre estive nesse tempo todo: torcendo pelo Grêmio, sempre, em qualquer circunstância e diante de qualquer adversidade! 

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: acabou o faz de conta

  1. Meu Deus amigo Milton, suas palavras fechou com as minhas, te admiro na CBN e na Avalanche, estamos juntos sempre com nosso imortal tricolor 🇧🇼 🇧🇼

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s