Expressividade: não confiamos em que não age naturalmente

 

Você acompanha a terceira parte do capítulo “Santo de casa não faz milagre, mas tem expressão”, publicado no livro “Expressividade — Da teoria à prática” (Revinter), organizado pela fonoaudióloga Leny Kyrillos, em 2005. Trago esse texto para o Blog em homenagem a fonoaudiologia e em referência ao Dia Mundial da Voz (16/04):

lectern-3278115_960_720

 

O BICHINHO DO HÃ-HÃ

 

Algumas pessoas quando se preparam para falar têm o péssimo hábito de chamar o “bichinho do hã-hã”. Colocam a mão fechada diante da boca e dão duas tossidas curtas. Deixo para as fonoaudiólogas explicarem os males que esse cacoete provoca na saúde vocal. A mim cabe destacar que esse comportamento já se transformou em caricatura de oradores. Em qualquer paródia, no rádio ou na televisão, em que aparece alguém pronto para o discurso, lá vem o malfadado “hã-hã”. Transformou-se em símbolo do político “enrolão”, da autoridade provinciana, uma espécie de chato de galocha. Daqueles que não deixam escapar uma festa na empresa, um casamento do cunhado ou o batismo do filho do chefe sem pedir a palavra para um breve improviso. Essa gente que já ganhou lugar anedótico no imaginário popular. Que ainda não se deu conta que a “Era do Discursão” já era.

 

A comunicação passou a ser fator de transformação da sociedade. A mensagem é recebida por uma audiência mais qualificada. Mesmo o cidadão do pequeno vilarejo lá nos cafundós do Judas não se satisfaz mais com as palavras bonitas do “doutor”. Em lugar das citações tiradas do livro de poesia barata, quer definições. Não se satisfaz com a promessa de “mais saúde, educação e segurança”. Que saber como conquistá-las. Não se seduz pelos “minha gente”, brasileiros e brasileiras” e “trabalhadores do Brasil”, que marcaram a fala de velhos presidentes da República e passaram a ser mais repetidos do que estrofe de marchinha de carnaval. Sem o mesmo sucesso, diga-se de passagem.

Para conquistar o ouvinte apenas com a fala é preciso ganhar a confiança dele. E nós não confiamos em que não age naturalmente. Por isso, o tom deve ser coloquial, como se estivéssemos em uma conversa a dois. O mais próximo possível de um bate-papo. Ressalto a palavra “possível”porque mais adiante veremos que a comunicação, dependendo do meio pelo qual é feita, sempre terá aspectos artificiais. Na próxima vez em que você for convidado para umas rápidas palavras na reunião da empresa, experimente conversar com seus colegas em vez de discursar. Você notará a diferença nos cumprimentos que receberá logo após o evento.

Aqueles que trabalham ou usam o rádio para se comunicar têm que ter cuidado ainda mais especial. A fala é o principal instrumento da comunicação radiofônica. Não me refiro apenas à voz. Essa é um fator fisiológico resultado de uma série de ações do corpo, desde o ar que sai dos pulmões, provocando as pregas vocais, até a forma como o som lá produzido vai se refletir nas cavidades da face e será articulado pela língua e afins. Falar é um processo muito mais complexo. É a maneira como a voz se expressa.

 

Você já parou para ouvir João Gilberto ao violão, certamente. A voz desse baiano refinado é quase um suspiro capaz de conduzir o público para o mundo dele. Aproxima as pessoas para seduzi-las em seguida. Mas, como ressaltou certa vez o jornalista Daniel Piza, apenas parece ter um fio de voz, porque, em sua juventude, cantava à la Lúcio Alves. Ouça João Gilberto e aprenda a lição que soa em meio à canção. Um tapa de luva naqueles que pensam em se transformar em líder na marra. Para quem não entendeu que no mundo da comunicação não se vence no grito. Mas na fala afinada com o bom senso.

 

Os textos do capítulo “Santo de casa não faz milagre, mas tem expressividade”, publicados até agora você tem acesso clicando aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s