As notícias de jornal no primeiro do ano

Image by PublicDomainPictures from Pixabay

Comecei cedo o ano, como começo todos os meus dias. Se o despertador não chama, os gatos chamam. Querem comida —- apesar de que desconfio de que, como eu, buscam é companhia, porque a comida está lá a espera deles, nos dois pratos espalhados no chão da cozinha, com direito a água ao lado da geladeira. Desço, converso em voz baixa para não acordar os de casa, eles fazem de conta que me entendem e seguem seu destino. A mim cabe dar início ao ritual dessas manhãs de folga na redação: preparar o café na máquina e abrir o jornal no celular. 

Espero o apito da cafeteira, que marca o fim de seu trabalho e o início de uma maratona de cafés que servirei para mim mesmo durante toda a manhã, e estou curioso para ver a primeira página dos jornais neste primeiro do ano —- geralmente é uma edição limitada a fotos de festas nos principais pontos turísticos do mundo. Mas hoje é “2021”.

Este ano foi diferente —- caramba, vamos continuar usando essa frase para descrever o ano em que vivemos —, havia mais notícias de saúde e doença do que fotos de réveillon. Até ensaiaram um colorido nas estátuas, pontes e praças históricas que nos acompanham desde sempre, mas o vazio de pessoas anuviou a imagem da festa. Nem o Brexit que finalmente começou — e seria motivo de escandalosas manchetes —- convenceu os editores a mexer na diagramação do primeiro de ano.

Menos mal, porque assim havia pouco espaço para reproduzir mais uma asneira do presidente de plantão que dentre tantas bobagens ditas ao vivo, chamou de ilusão o uso de máscara para combater a Covid-19 —- em mais uma negação a tudo que o conhecimento científico nos ensinou ao longo dos tempos. Se o moço tem um mérito é o fato de ser ignóbil convicto, do primeiro ao último dia do ano.

Nesta primeira edição de 2021 dos jornais também encontrei reportagens sobre a esperança que novas administrações municipais nos oferecem e os tremendos desafios que os prefeitos terão de enfrentar —— pouco me importa, eles sabiam o que os esperavam, e se douraram a pílula para angariar votos, que tratem de mantê-la brilhando em punho próprio e com o pouco dinheiro que têm em caixa.

Por sua vez, os colunistas —- cada vez mais fundamentais para a existência dos jornais —- tendem a nos oferecer textos bem acabados, pensamentos provocadores e um tanto de conhecimento. Costumo parar por mais tempo diante dos meus favoritos. Gosto dos que tratam do cotidiano, mas não só deles. Às vezes, sou surpreendido com autores para os quais nunca havia dado atenção —- por preguiça, por falta de tempo ou pelo hábito de sempre ler os mesmos.

Enquanto leio e já entornei minha terceira xícara de café, o céu ficou nublado e as primeiras gotas de 2021 começam a cair sobre mim  — e aqui não há nenhum exercício poético ou mensagem subliminar, é a chuva mesmo. Sou obrigado a trocar de cadeira sem trocar de tarefa: encontrar em meio aos textos uma mensagem que me revigore para enfrentar o ano. Desejo fugaz. 

Nada que encontrar no dia de hoje vai mudar o que foi o de ontem. E o que será o de amanhã. Os amigos que perdi não voltarão; o amigo que agoniza, ainda não sei. A vida não zera no primeiro do ano  —  como se fosse um jogo eletrônico —, até porque seria muito chato termos de repetirmos todas as fases, aprendermos tudo de novo, reconhecer as pessoas que amamos, e descobrir, em tempo, que são elas a quem devemos o nosso amor. Imagine cometer os mesmos erros de antes, encarar toda a jornada de enganos até aprender a lição final —- logo agora em que estou em um momento da vida em que só peço a Deus que me livre dos meus pecados e se quiser que eu preste contas pelo que fiz que o faça quando encontrá-Lo e não aqui em vida. Que Deus me ouça!

Até amanhã!

3 comentários sobre “As notícias de jornal no primeiro do ano

  1. É, hoje é igual ao ontem. A não ser por algum perda. Bela reflexão ! Saúde e paz para você, Milton Jung . Meu companheiro juntamente com a Cássia no início das manhãs, após o Fred.

  2. Uma bela crônica, Milton, penso que todos com o minimo de bom senso se sentem meio assim melancólico com esse filme de terror que não acaba. E muitos tratam a vida como se fosse um jogo de vídeo game, que morreu é só recomeçar. E pior, matam a vida dos outros.
    Que venha 2021, veremos. Abraço.

  3. Pingback: A morte do amigo Carlos | Mílton Jung

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s