Avalanche Tricolor: entre agruras e prazeres, um gole de vinho!

Vasco 0x0 Grêmio

Brasileiro B – Estádio de São Januário, Rio

Benitez luta pela bola em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

À distância, vê-se ao longe; e com a razão se expressando mais do que a emoção. Não sei bem o que teria escrito nesta Avalanche se mantivesse a tradição de publicá-la logo após a partida, nem garanto que fosse muito diferente do que você, caro e cada vez mais raro leitor, vai ler a seguir. Em detrimento desta oportunidade — da escrita imediata —, sobrou-me o espaço para a reflexão nem sempre tão simples de ser feita quando o olhar do torcedor se sobrepõe à lógica do jogo. 

Na noite dessa quinta-feira, enquanto o Grêmio se engalfinhava —- sim, esse é o melhor verbo para definir algumas das poucas cenas que assisti em campo — com o adversário, eu estava cumprindo compromisso assumido com a colônia italiana. Dois de junho é a data da Festa della Repubblica e, a convite do cônsul-geral da Itália, em São Paulo, Domenico Fornara, apresentei a cerimônia oficial, com direito a discursos, música de qualidade e sorteio de prêmios. Tinha muito comida boa, também, devidamente preparada pelo alagoano Zé Maria —- José Maria Meira, um chefe de gosto sofisticado, cultura incrível e de uma simpatia ímpar. Um craque na culinária e na generosidade.

O que um jornalista de sobrenome tedesco fazia no comando da festa italiana talvez valha uma justificativa: entre o Mílton e o Jung, existe um italiano que se expressa nos costumes e hábitos, nos sabores e prazeres, e no sobrenome Ferretti, família oriunda da cidade de Ferrara, na região da Emiglia-Romagha. Foi de lá que o bisnonno Vitaliano partiu em direção ao sul do Brasil e se estabeleceu em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, no início do século 20. Teve vários filhos, dentre eles Dona Ione, minha nonna, mãe do meu pai, que me deu o privilégio e missão de ser o único dos netos a levar à frente o sobrenome da famiglia

Tudo justificado, voltemos ao futebol.

Em meio a festa, busquei na tela do celular o único recurso para acompanhar, mesmo que de revesgueio, a partida do Grêmio que, diziam, seria a última de Roger Machado. A pressão contra o treinador — típica dos apressados e doentes — existe quase desde o início do seu retorno ao clube. Com duas semanas, o Grêmio caiu na Copa do Brasil, ainda na primeira rodada. No primeiro grande desafio, depois da queda, perdeu o Gre-Nal. A maioria esquece que, em seguida, goleou o tradicional adversário, ganhou o Hexacampeonato Gaúcho e ainda levou de brinde a Recopa Gaúcha. 

O futebol imediatista pensado por muitos, os torcedores ainda machucados com a tragédia de 2021 e aproveitadores da desgraça alheia se uniram contra Roger. Os resultados e a performance de alguns jogadores também não ajudaram muito. Como acredito demais no potencial do nosso técnico, tudo que não queria ver na noite de ontem era o jogo insosso e sem alma das últimas partidas, que, certamente, resultaria em derrota. Convenhamos, não seria um resultado intragável, dadas as circunstâncias — jogávamos em um estádio transformado em caldeirão e contra um dos principais adversários da competição. Mas o contexto não permitia mais um revés.

Foi diante desses cenários ambíguos — em que eu aproveitava os prazeres proporcionados pela colônia italiana, em São Paulo; e o Grêmio, as agruras de enfrentar seus próprios ‘monstros’ e o ambiente hostil criado pelo adversário, no Rio — que vi nosso time lutar como nunca havia feito até então neste campeonato. Em campo, Roger deu preferência aos “cascudos”, apostou na experiência de veteranos, alguns odiados pelo torcedor, e conseguiu mobilizar a equipe, mesmo que ainda não tenha sido capaz de tirar do time um futebol de qualidade.

No segundo tempo, Roger foi obrigado a fazer substituições devido ao desgaste físico de alguns jogadores — a intensidade na marcação no campo do adversário cobra um preço alto. Perdemos espaço e aceitamos a pressão. E, por mais que os chatos das redes sociais só encontrassem defeitos, esse foi mais um mérito do time de Roger: soube resistir à imposição do adversário.

O ponto conquistado fora, os dois roubados do adversário, que jogava em casa, e a permanência no pelotão de cima, a uma vitória do G-4, deveriam ser comemorados ao fim da noite. Tanto quanto a mudança de atitude do time que se revelou capaz de lutar pela bola, apesar de nem sempre saber bem o que fazer com ela quando esteve em sua posse. 

Pelo que li na escrita de torcedores em rede e na fala de alguns cronistas, porém, muitos preferiram exaltar as críticas e os problemas. Fiquei com a impressão de que estavam incomodados com o fato de o conjunto da obra de ontem à noite ter favorecido à manutenção de Roger. Enquanto eles esbravejam e se alimentam de suas convicções odiosas, prefiro me embevecer com a crença de que somos capazes de dar a volta por cima, como já fizemos no passado. E se puder saborear tudo isso com um vinho italiano, melhor ainda!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s