Invertendo a ordem: a pessoa contrata a empresa

 

 

Por Carlos Magno Gibrail

  

 

IMG-20180828-WA0002

 
 

 

A startup 99jobs.com chega aos cinco anos de vida com 100 clientes top atendidos em projetos customizados e 2 mil providos com produtos e plataformas tech customizadas ou genéricas. Essas informações, obtidas na elaboração do post anterior sobre as Girls Boss, um braço da 99jobs, me levaram ao tema de hoje, afinal havia duas lições: como empreender com sucesso e como fazer o que ama.
 

 

 

Eduardo Migliano, 25, publicitário, e Diego Ximenes, 24, administrador, gostavam quando criança de perguntar aos colegas e amigos em que iriam trabalhar. Continuaram perguntando e constataram que as pessoas não estavam gostando do que faziam — por elas, pelo trabalho, pelas empresas ou por tudo isso.

  

 

Resolveram mudar o mundo ajudando as pessoas fazer o que amam. Com o princípio de que amanhã pode ser tarde demais, começaram a desenvolver um sistema de informações para saber como é trabalhar nas empresas. Montaram um algoritmo que, segundo eles, sinaliza até 99% das compatibilidades entre pessoa e empresa — daí o nome da startup. Dentre essas compatibilidades destacam-se como a pessoa realmente é, com seus valores, e como é trabalhar nas empresas com seus valores.

  

 

O banco de dados criado possibilitou ordenar expectativas, desejos e valores das pessoas e das empresas, invertendo a busca do trabalho: a pessoa contrata a empresa. O foco nas pessoas energizou o sistema e as motivou, transformando o processo numa comunidade e a mensagem em um movimento a favor do fazer o que ama. As empresas provaram e aprovaram.

 

 

Hoje são atendidas 100 empresas nacionais e internacionais no topo do ranking corporativo, para as quais a  99jobs.com oferece serviços customizados. Ao mesmo tempo fornece produtos de software e aplicativos customizados e genéricos para 200 companhias.

 

 

Para atender esse universo altamente qualificado de  clientes, a 99jobs.com utiliza 35 pessoas que fazem o que amam e ensinam as pessoas a encontrar o trabalho que irão amar. E aconselham: descubra seus valores no trabalho e veja quais empresas tem tudo a ver com você.

  

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

“É proibido calar!” estará no Paraná e Rio Grande do Sul nesta semana

 

IMG_3384

 

 

As semanas têm passado em alta velocidade devido a série de viagens pelo Brasil para o lançamento de “É proibido calar! Precisamos falar de ética e cidadania com nossos filhos” (Editora Best Seller). Terminei a semana passada no Rio de Janeiro após dois dias no Distrito Federal. Em um lugar e em outro, a conversa com os ouvintes e leitores foi revigorante. Além de reencontrar amigos e colegas de trabalho, tive contato com pessoas que acompanham o meu trabalho no rádio e esperam encontrar no livro uma parte daquilo que conheceram através dos meus comentários e entrevistas — minha torcida é que após lerem o livro preservem a imagem que tinham até então.

 

Nova semana se inicia e uma nova angústia aparece. Talvez nunca tenha dito isso a você, caro e raro leitor deste blog, mas a ansiedade em saber quem aceitou o convite de comparecer ao lançamento do livro consome o meu dia. Sempre tenho a impressão de que ninguém estará por lá — motivos não faltam, afinal todos nós temos uma quantidade gigantesca de compromissos na agenda. Ao mesmo tempo, fico com a esperança de que posso ser surpreendido com a presença de uma ou outra pessoa.

 

No Rio de Janeiro, quinta-feira passada, além de muita gente boa e generosa que esteve por lá, reencontrei um amigo de infância, que morava na mesma rua que a minha em Porto Alegre, foi meu aluno na escolinha de basquete do Grêmio, nos anos de 1980. “Sabe quem eu sou?”,  perguntou ele. Claro que minha memória não era capaz de voltar tanto tempo, até porque o cara, casado, com jeito de quem trabalhou duro na vida para montar sua rede de restaurantes, estava bem diferente daquele guri da Saldanha que eu conheci. “Sou o Ismael, irmão do Samuel” — frase que serviu de senha para liberar minhas lembranças e me emocionar. A imagem do guri da Saldanha voltou a mente e substituiu o cara, casado, com jeito de quem trabalhou duro na vida para montar sua rede de restaurantes. Passaram a ser a mesma pessoa.

 

Tomara seja capaz de encontrar velhos conhecidos em Curitiba, na terça-feira, dia 28, quando lançarei “‘É Proibido Calar!” na Livrarias Curitiba, no Shopping Palladium, às 19 horas. Ou quem sabe, encontre novos conhecidos, entusiasmados com a ideia do livro de que os pais, as mães e os adultos de referência das nossas crianças sejam responsáveis pela educação dos seus filhos — uma educação que precisa ser baseada em princípios e valores éticos.

 

Na sexta-feira, estarei em Porto Alegre. Na minha terra natal, serei o palestrante que encerrará o Congresso de Comunicação Legislativa para Câmara Municipais — convite que me fizeram pela participação que tenho no Adote um Vereador, um dos temas que tratei no “É proibido calar!”. Farei a palestra “Comunicar para liderar no legislativo”, baseada em meu livro anterior “Comunicar para liderar” que escrevi em parceria com a fonoaudióloga Leny Kyrillos.

 

Seja em Curitiba seja em Porto Alegre, só tenho a dizer o que tenho dito em todos os lançamentos que fiz até agora de “É proíbido calar!”: não me deixem sós.

Mundo Corporativo: o líder ensina as pessoas a pensar, diz César Souza

 

 

 

 

 

“O papel do líder não é ficar ensinando como fazer; o papel do líder é ensinar as pessoas a pensar, ensinar as pessoas a descobrir o líder que têm dentro de si; é criar as condições para que a pessoa se desenvolva como líder e aprenda a ser líder” César Souza, consultor

 

 
O mercado de trabalho tem enfrentado uma escassez de líderes —- realidade que se identifica também no cenário político, na escola e na própria família. O consultor César Souza, fundador da Empreenda Consultoria, que tem se dedicado a analisar o que ele chama de apagão de líderes entende que este fenômeno se deve a falta de preparo das pessoas e dos profissionais para a mudança de época que se vive no momento. No livro “Seja o líder que o momento exige”, Souza diz que existem novas circunstâncias impactando as relações tais como a transição do mundo industrial para o do serviço; do foco no produto para o foco no cliente; da filosofia da propriedade para a economia do compartilhamento; entre outros aspectos.

 

 
Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, o consultor oferece algumas saídas para os profissionais e as empresas se adaptarem a esse novo momento:

 

 

“… esse líder tem de ser mais um líder inspirador do que um líder controlador; o que a gente precisa no futuro e daqui para a frente é um líder que inspire as pessoas não pela autoridade, inspire as pessoas pelos valores, pelo propósito, pelo rumo”

 

 
O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas da manhã, pelo site, pelo Facebook e pelo Instagram da rádio CBN. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, e fica disponível no canal da CBN do You Tube. Colaboram com o Mundo Corporativo: Gabriela Varella, Ricardo Gouveia e Débora Gonçalves.

GIRL Boss uma trilha para o topo

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

startup-849805_1280

 

Para as jovens que querem chegar ao poder trabalhando em funções que amem surge agora a proposta da 99jobs.com. Uma startup especializada em Recursos Humanos focada em grupos específicos.

 

Girl Boss, de acordo com Andressa Schneider, idealizadora, é um programa de lideranças femininas dentro da área de Recursos Humanos — de forma a capacitar profissionais que poderão formar mulheres aptas a ocupar o topo das organizações.

 

No momento, está iniciado o processo de recrutamento e seleção para os três segmentos em que o projeto se compõe. Para graduandas como estagiárias, que desejam adentrar na área de RH. Para jovens já formadas e pós-graduandas com 2 a 3 anos de experiência, mas que não podem trabalhar em regime integral. E para formadas e pós-graduandas com experiência de 4 a 5 anos. Respectivamente são designadas como Estagiárias, Travelers e Girls Boss.

 

As aprovadas trabalharão dentro do projeto servindo aos clientes da 99jobs.com na área de RH. Dentro de um processo que se diferencia pela absoluta participação feminina em todas as fases. Com destaque para o monitoramento qualificado por profissionais que ocupam relevantes cargos em ícones do mercado empresarial.

 

A receita idealizada por Schneider vem contemplada pelos ingredientes adequados na busca pela eficácia também no aspecto dos clientes. Numa carteira nada modesta de uma centena, há super stars do mercado: Globo, Vale, Natura, Heineken, Microsoft, Magazine Luiza, ESPN, Renner, Toyota, Unilever, Votorantim, Comgas, etc.

 

Que tal uma carreira que leve ao topo fazendo o que gosta?

 

Bem, se não for possível, afinal o gosto pode ser algo intangível, procure ao menos gostar do que faz.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Pai que deixa a educação dos filhos só com a mãe tem a cabeça no passado

 

 

No lançamento do livro “É proibido calar! Precisamos falar de ética e cidadania com nossos filhos” (editora Best Seller), fui entrevistado pelo Jornal da Cultura — onde tive minha primeira oportunidade como âncora, nos anos de 1990. Na conversa ao vivo com a repórter Marcela Terra, que esteve na livraria Saraiva do Shopping Ibirapuera, falei sobre a proposta do livro e a participação de Miriam Leitão e Mário Sérgio Cortella, que escreveram o prefácio e a orelha, respectivamente.

 

Em tempo: minha passagem pela TV Cultura, ao longo de oito anos, foi fundamental na minha formação como jornalista, por isso fiquei muito contente em ter meu trabalho destacado na programação da emissora.

Vai lá: “É proibido calar!” será lançado em Brasília e no Rio de janeiro

 

 

A semana que começa será intensa: lançarei o livro “É proibido calar! Precisamos falar de ética e cidadania com nossos filhos” (Ed BestSeller)  em Brasília e no Rio de Janeiro. Duas oportunidades para conversar com leitores, ouvintes e amigos, como já havia ocorrido em São Paulo, na segunda-feira passada.  Assim como na capital paulista, a sessão de autógrafos também será precedida de um bate-papo com jornalistas convidados. Gosto da ideia do talk-show  pois serve como uma apresentação das ideias que estão no livro.

 

Uma das mensagens que compartilho com os leitores é a que está em destaque no vídeo que acompanha este post: os pais são responsáveis pela educação dos filhos e não devemos terceirizar esta responsabilidade.

 

Em Brasília, o encontro será na quarta-feira, dia 22, às 19 horas, na Livraria Cultura do CasaPark Shopping Center, e terei a companhia do Brunno Melo. No dia seguinte, dia 23, também às 19h, estarei no Rio de Janeiro, e a conversa será com o Frederico Goulart, na Livraria da Travessa do Shopping Leblon.

 

Espero você por lá!

 

 

 

 

 

“Em meio à atmosfera poluída pela obscenidade nos costumes, educar para a cidadania é um desafio”

 

Reportagem publicada no Projeto Draft com trecho do livro ‘É proibido calar!’

 

milton_jung

 

A ideia do livro surgiu da editora. O nome, de um convidado. A coragem, de uma colega. O apoio, de minha mulher e meus filhos. Já as histórias estavam dentro de casa — da minha, das dos meus avós, dos meus pais e de gente conhecida. É proibido calar! Precisamos falar de ética e cidadania com nossos filhos, meu quarto e mais recente livro, começou em uma conversa de livraria, no café da Cultura, no Conjunto Nacional, na avenida Paulista, em fevereiro, quando a editora Raïssa Castro, da Best Seller, do Grupo Editorial Record, me procurou propondo que eu escrevesse sobre ética e política.

 

Reticente, como costumo ser diante de desafios que considero grandes demais para mim, desconversei, puxei outros assuntos e imaginei que, entre nós, o café bem tomado já estaria de bom tamanho. Fui vítima de minha própria estratégia, pois ao ouvir minhas histórias de família e da relação com meus pais e meus filhos, a editora retomou o tema inicial, revelou sensibilidade e o adaptou para a minha realidade: “Vamos falar sobre ética e cidadania com nossos filhos!”, disse-me entusiasmada.

 

Pedi algumas semanas para pensar — tempo suficiente para arrumar uma desculpa e quem sabe deixar esse papo para lá. Ganhei apenas alguns dias de prazo. E não precisava muito mais mesmo: já estava convencido de que a proposta era tentadora e mexeria com os meus instintos mais profundos.

 

Falar sobre a relação com meus pais e meus filhos em público era assustador tanto quanto emocionante — e nesse coquetel de emoções montei um projeto inicial, rabisquei um roteiro a ser seguido e comecei a escrever

 

Escrever sempre foi motivo de sofrimento e prazer. Desde o primeiro livro, Jornalismo de Rádio, de 2004, passando pelo Conte Sua História de São Paulo, da mesma época, e do Comunicar para Liderar, de 2015, enfrentei as mesmas reações e embates: internos e externos. Havia prazo para a entrega do livro, prazo para copidesque, prazo para observações, prazo para mudanças, prazo para o prefácio, para a orelha, para as colaborações, para a capa, para a diagramação, para a impressão e para o lançamento. Ao mesmo tempo que os prazos me pressionavam, me desafiavam, isso tende a me ajudar.

 

Leia a reportagem completa no site do Projeto Draft

Franchising é destaque de desempenho no semestre

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

shopping-mall-509536_960_720

 

O crescimento das vendas no setor de franquias foi de 6,8% no primeiro semestre deste ano em comparação com 2017. De 74,455 bilhões de reais no ano passado marcou 79,496 bilhões de reais este ano. Até certo ponto não há surpresa.

 

O franchising é um processo consolidado, no qual marcas e operação são fortes atributos no mercado altamente competitivo que vivenciamos — e ainda em crise. Além disso, o sistema de franquias absorve parcela da mão de obra qualificada, que numa economia de baixo crescimento opta por empreender ao não encontrar empregos a contento. Sendo assim, a opção da franquia é um caminho mais seguro do que a aventura de lançar novos produtos e novas marcas. Fato comprovado pelo número no franchising de lojas abertas comparado ao de lojas fechadas: 3,1% contra 1,3%. Saldo positivo de 1,8%.

 

Entretanto, algumas novidades despontam nesses dados recentes.
A descentralização das novas unidades começa, embora de forma ainda incipiente, a demonstrar uma nova tendência. A participação da região centro oeste subiu de 8,0% para 8,3% e a da região norte de 5,1% para 5,4%.

 

De outro lado, os segmentos de viagens e turismo, casa e construção começam a ocupar maiores espaços. Ao mesmo tempo, restaurantes, fast food e entretenimento evidenciam notoriedade suficiente para apostas certas em seu crescimento. Os shopping centers, habitat preferencial ao sistema de franquia, estão cada vez mais se tornando locais de encontro, diversão e lazer —  o que ratifica e potencializa esses setores na preferência dos consumidores. Com a vantagem do distanciamento da disputa com o mundo virtual.

 

Enfim, na receita do franchising não há contraindicação nem efeitos colaterais. Apenas a advertência para seguir a boa prática. Expressa nas melhores bulas.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

A generosidade do ouvinte no lançamento de “É proibido calar!”

 

É proibido calar!

 

Generosidade foi a palavra que ficou depois de  quatro horas ao lado de amigos, colegas de trabalho, parentes e ouvintes — muitos ouvintes — que aceitaram o convite para o lançamento do livro É proibido calar! Precisamos falar de ética e cidadania com nossos filhos , que ocorreu na noite de segunda-feira, na livraria Saraiva do Shopping Ibirapuera, em São Paulo. O encontro foi aberto pela Cássia Godoy que comandou um talk show no qual troquei de posição: de entrevistador virei entrevistado. Com sensibilidade e precisão — como costuma fazer nas entrevistas da rádio —, minha colega de Jornal da CBN levou-me na conversa. Tratou de ideias e histórias que estão publicadas no livro; e foi variando as emoções provocadas no entrevistado e no público. Tivemos momentos diversos,  desde mensagens de ativismo político, dicas de ações que podemos realizar em família até risos e lágrimas com casos que protagonizei com meus avós, pais e filhos — nossa conversa será reproduzida na programação da CBN, em breve.

 

Atender as centenas de pessoas que se dispuseram a ficar na fila para receber um autógrafo e, claro, registrar o encontro em fotografia foi também genial. Porque todos fizeram questão de compartilhar algum sentimento ou palavra. E ouvir o carinho das pessoas é gratificante. Gente que nos acompanha no rádio e vivencia cada momento que levamos ao ar em nossos bate-papos e entrevistas. Alguns que reconhecemos pelo nome, pois costumam dividir seus pensamentos em e-mails ou pelo WhatsApp. Outros que nos surpreendem contando como são próximos sem que nunca tenhamos falado. Havia uma turma das antigas, que ratifica a incrível trajetória da CBN, desde sua inauguração, em 1991. Havia também uma gurizada, que nos dá a esperança de que o jornalismo de rádio ainda tem muito a fazer.

 

Muitos comentavam que depois de tanto tempo recebendo um, cumprimentando outro, autografando um livro aqui e fazendo uma dedicatória ali, eu deveria estar muito cansado. Ledo engano. O encontro foi revigorante. Saí da livraria, quando o shopping já tinha suas portas fechadas, com uma satisfação que não cabia no peito. Ao chegar em  casa, já depois da meia-noite, só conseguia pensar como foram generosas aquelas pessoas que lá estiveram ao meu lado.