Mundo Corporativo: “tire a barriga do balcão”, ensina Antonio Nasraui, do Rei do Mate

 

 

O dono do negócio não tem de estar com a barriga no balcão, como se costuma dizer popularmente, mas à frente dele, olhando o que está acontecendo na sua loja, com o olhar do consumidor. A recomendação é de Antonio Carlos Nasraui que ocupa o cargo de CEO do Rei do Mate, que se iniciou com o pai dele em uma loja popular, no centro de São Paulo, e atualmente é uma franquia com cerca de 330 pontos de venda, espalhados pelo Brasil. Ele foi entrevistado por Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da radio CBN.

 

Com base na experiência que adquiriu desde que assistia ao pai na primeira loja montada na avenida São João, Nasraui lembra aos franqueados que é nos detalhes que se percebe a qualidade do produto e do serviço oferecidos. Uma lâmpada queimada ou lâmpadas com coloração diferentes transmitem mensagem de desleixo. Um pano de limpeza esquecido em cima da geladeira, também: “passa um dia, passam dois, de repente essas coisas viram paisagem, passam a fazer parte da imagem da loja”.

 

Outra lição que aprendeu com o tempo: se o cliente pagou por um copo de café ou de chá e não bebeu tudo, alguma coisa errada tem; ou o sabor não estava bom ou a temperatura não estava correta. É preciso atenção. E Nasraui faz questão de transmitir esse conhecimento a toda rede de franqueados pois sabe que são ensinamentos que ajudam no sucesso de uma loja: “O meu franqueado é o maior patrimônio, eu preciso fazer ele ganhar dinheiro, ele precisa estar feliz porque ele é que vai vender o meu negócio para outros franqueados”

 

O Mundo Corporativo é apresentado, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site e na página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, ou domingos, 11 da noite, em horário alternativo. Participam do programa Juliana Causin, Débora Gonçalves e Rafael Furugen.

Avalanche Tricolor: as marcas do futebol gremista, na Libertadores

 

Botafogo 0x0 Grêmio
Libertadores – Estádio Nilton Santos RJ

 

IMG_9335

Arthur deixa a sua marca (reprodução SporTV)

 

Personalidade e maturidade foram marcas do futebol gremista na noite desta quarta-feira, no Rio de Janeiro. Típicas de um time copeiro, experiente em competições sul-americanas e consciente do seu potencial. Não por acaso estamos em nossa décima-sétima Libertadores, já fomos quatro vezes à final e buscamos o Tri.

 

O Grêmio de Renato soube reduzir os riscos contra um adversário empurrado por sua entusiasmada e confiante torcida, que acabara de vir de uma vitória em clássico, no Campeonato Brasileiro. Sabia da pressão que poderia sofrer e soube trabalhar diante deste desafio.

 

Fez questão de ficar com a bola no pé e trocar passes sem precipitação, com precisão – esta que, aliás, é outra de nossas marcas, desde a temporada passada. Jogou com inteligência, tendo Arthur mais uma vez demonstrado talento acima da média na condução da bola.

 

Marcou com firmeza, expondo-se pouco ao perigo e contando com a experiência de jogadores como Kannemann, Edílson, Leo Moura e Fernandinho. 

 

Soube aproveitar o talento de seus jogadores, mesmo sem ter em campo dois de seus melhores: Geromel e Luan.

 

Nosso zagueiro mitológico mais uma vez foi substituído pela segurança de Bressan.

 

Já Luan não tem substituto em solo brasileiro, portanto não havia como esperar que alguém reproduzisse suas qualidades.

 

Nada está decidido, mas a decisão será na Arena, com a torcida a se somar aos nossos talentos. Sem contar que Renato terá de volta – é o que se espera – Geromel e Luan, marcas importantes desta equipe.

 

Por mais difícil que seja o confronto da próxima quarta-feira ou por mais que empate com gols seja favorável ao adversário, o Grêmio está firme e forte a caminho de deixar mais uma marca na Taça Libertadores.

 

 

A simbiose burocrática de Galbraith e a corrupção solta no Brasil

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

maxresdefault

 

Quando os holofotes persistem em mostrar as relações espúrias entre as grandes corporações públicas e privadas é impossível não se lembrar da obra de John Kenneth Galbraith. O economista que na década de 1960 alertou para o perigo da tecnoestrutura, na qual personagens tecnocráticas e políticas dos setores governamentais e privados agiriam pelos interesses próprios. A tecnoburocracia seria um sistema promíscuo e corrupto, designado como “simbiose burocrática”.

 

O acerto dessa previsão basta para recomendar a obra deste professor de Harvard e economista do presidente John F. Kennedy, com um invejável acervo de notáveis, tanto seguidores como críticos.

 

Milton Friedman, assim como Paulo Krugman, que o designava como um “economista da mídia”, eram adversários intelectuais.

 

O economista Paul Samuelsen rebateu-os:

 

“Galbraith será lembrado e lido quando a maioria de nós, laureados com o Prêmio Nobel, estiver enterrada em notas de rodapés nas estantes empoeiradas das bibliotecas”.

 

Samuelsen estava certo quanto a utilidade da obra de Galbraith, onde se destacam “A sociedade afluente” (1958), “O novo estado industrial“ (1967) e “A economia e o objetivo público” (1973).

 

Nos Estados Unidos, durante o governo Bush, a “simbiose burocrática” atingiu níveis históricos. Na administração Clinton a subordinação estatal às prioridades dos grandes grupos econômicos foi um fato.

 

O Brasil, então agora tido como campeão mundial da “simbiose”, dispensa apresentações. Apenas a ressaltar a atuação de Eduardo Suplicy, como intelectual e acadêmico da obra de Galbraith.

 

Articulista da Revista de Economia Política da FGV, como professor e Ph.D. em Economia pela Michigan State University, Suplicy citou inúmeras vezes a contribuição de Galbraith. Em dezembro de 2006, publicou um artigo em que relata:

 

No Brasil, a “simbiose burocrática” está presente em muitas áreas. Forma-se um quadro de crescente interação entre grupos privados e funcionários governamentais que acaba contaminando as políticas de governo e colocando-as a serviço de interesses especiais e particulares. Isso é um fato, um fenômeno da vida tanto das sociedades desenvolvidas como de países em desenvolvimento, como o nosso. Os quadros técnicos se movimentam das grandes empresas para o governo e vice-versa, configurando uma situação de captura das alavancas decisórias governamentais.

 

Pena que o ex-senador Suplicy, que já tinha assinado em 2005, aos prantos, pela CPI da corrupção do governo de seu partido, o PT, e, em 2009, deu cartão vermelho da tribuna do Senado a José Sarney, não tivesse levado o artigo acadêmico à ação e impedido a explosão de corrupção que assolava a nação.

 

Será um desmentido à epigrama de Bernard Shaw?

 

“Quem sabe faz, quem não sabe ensina?”

 

Ou afirmação à fala de Carlos Lacerda?

 

“Somos um povo honrado, governado por ladrões”

 

Honradez essa considerada discutível por Carlos Heitor Cony em seu artigo de domingo, na Folha de São Paulo.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

Mundo Corporativo – 15 anos: Pedro Parente, da Petrobras, fala de combate à corrupção e práticas de gestão

 

 

“Quem autoriza não paga, quem paga não controla”. A regra foi ouvida por Pedro Parente, atual presidente da Petrobras, na época em que fazia carreira no Banco do Brasil e, diz ele, tem pautado suas ações diante de um dos maiores desafios que já enfrentou na gestão pública: recuperar a imagem e as contas da estatal, após o “tsunami” que atingiu a empresa, alvo de uma série de casos de corrupção.

 

Parente foi entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no programa especial em comemoração aos 15 anos do Mundo Corporativo, da rádio CBN, apresentado ao vivo, na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon, no Rio de Janeiro.

 

Aqui você assiste ao vídeo completo da entrevista na qual o executivo da maior estatal brasileira fala de sua experiência na área de gestão e de medidas que foram implantadas para conter ações de ilegalidade na empresa. Parente também comenta sobre o afastamento do diretor de Governança e Conformidade João Adalberto Elek que aguarda julgamento de recursos de um caso envolvendo possível conflito de interesse.

 

O Mundo Corporativo é apresentado, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas da manhã, com transmissão pelo site e pela página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN ou aos domingos, 11 da noite, em horário alternativo. Este programa teve a colaboração de Julio Lubianco, Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Avalanche Tricolor: que o futebol de talento prevaleça

 

 

Vasco 1×0 Grêmio
Brasileiro – São Januário RJ/RJ

 

 

Gremio

(imagem de arquivo)


 

 

Era futebol, era o Grêmio e era no Rio de Janeiro. Mas ainda era sábado, era em São Januário e no Brasileiro. E assim como eu, imagino que você, caro e raro leitor gremista desta Avalanche, – talvez parte de nosso time, também – estávamos com a cabeça a 10 quilômetros dali. É no Nilton Santos, lá no Rio mas na quarta-feira, que nossa temporada de futebol bem jogado pode ser validada. É lá que sinalizaremos o quanto o jeito de tocar na bola, trocar de posição e surpreender o adversário valeram a pena neste ano. E devem ser mantidos.
 

 

O futebol tem dessas coisas. Por mais que um time seja reverenciado pelo tipo de jogo implantado, pela genialidade de seu esquema tático e pelo poder de solução que alguns de seus talentos individuais oferecem, se não tiver um título para ilustrar todas essas qualidades, provavelmente terá sua história esquecida. Lembraremos nós, ao menos uns e outros de nós, o ano em que Renato conseguiu dar um padrão de jogo capaz de espantar críticos no Brasil, que Luan jogava o futebol mais bonito do país, que tivemos o ataque mais vigoroso e equilibrado da temporada. E sempre haveremos de ouvir um “mas ….”. Estaremos sempre condenados a esta conjunção adversativa.
 

 

Não bastasse ser uma obsessão desta torcida que descobriu ainda na década de 1980 que conquistar a América nos colocaria acima de qualquer vitória nacional do arqui-adversário, a Libertadores tem função ainda maior nesta temporada, especialmente após o desperdício dos títulos Gaúcho e da Copa do Brasil. Será o certificado que o Grêmio busca para corroborar suas escolhas seja na forma de jogar, seja na de reter talentos, seja na de contratar reforços, seja na de se comportar em campo e fora dele.
 

 

Longe de mim desmerecer nossas qualidades reveladas até aqui, independentemente do que venha a acontecer. Você que me acompanha neste espaço sabe do quanto tenho me deslumbrado com alguns dos momentos vividos em campo pelo Grêmio. Mesmo em alguns jogos nos quais o resultado não era o esperado, sinto orgulho de torcer por este time – como se já não bastasse o orgulho que tenho de ser gremista. Mas … e lá vem a conjunção adversativa mais uma vez … o futebol é ingrato. Exige vitória após vitória. Reivindica títulos, a qualquer preço. Precisa de uma faixa no peito e uma taça no armário para ser lembrado.
 

 

O futebol de talento merece este título. E o Grêmio haverá de provar isso na quarta-feira, no Nilton Santos, na Libertadores.

Mundo Corporativo: Mauro Halfeld ajuda você a controlar as contas da sua empresa

 

 

“As pessoas tem de descer do pedestal que muitas vezes o mundo corporativo nos coloca. Ele é falso. Tire o terno, tire a gravata, tire a sua roupa sofisticada, e aprenda a fazer tarefas simples, não tenha vergonha”. A recomendação é de Mauro Halfeld, comentarista da CBN, especialista em finanças e empreendedor. Ele conta sobre essa experiência e faz alertas importantes para que os donos de negócios mantenham suas contas em dia na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Sobre o controle do orçamento, Halfeld avisa: “quem não tem contabilidade fidedigna, contabilidade realista, não tem uma bússola, está dirigindo com o seu parabrisa tampado”.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar aos sábados, às 8h10 da manhã, no Jornal da CBN, ou aos domingos, 11 horas, em horário alternativo. O programa é reproduzido em vídeo no site e na página da CBN no Facebook. Colaboram com o Mundo Corporativo Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Conte Sua História de SP: o dia em que recebi a Rainha Elizabeth no meu bairro

 

Por Elizabeth Montero
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Eu era muito pequena e esta história que vou contar hoje faz parte de um passado distante. Saí da Aclimação para morar perto do Aeroporto de Congonhas.

 

Tinha muito medo do novo, mas não sabia que descobriria um outro mundo. Acordava no meio da madrugada com um barulho de um super trovão: o avião aterrissando! Era uma novidade para mim.

 

Ali onde morava, ao voltar da escola, encontrava pelo caminho artistas e pedia autógrafos em um caderninho que desapareceu, assim como o estúdio da Record.

 

Mas o melhor presente foi viver, em 1968, e saber que eu tinha o nome da Rainha da Inglaterra. Sim, lá estava eu pequenina na avenida Rubem Berta balançando as bandeirinhas para a Rainha desfilar. Naquele dia eu me senti feliz de morar ali.

 

Hoje tenho 58 anos, mas esta memória ainda é bem vívida.

 

Elizabeth Montero é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capítulo da nossa cidade. Escreva para milton@cbn.com.br.

Cinco relatos corporativos que você precisa contar aos colegas

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

agreement-2679506_960_720

 

Do mundo corporativo tal qual na vida real podemos extrair interessantes episódios ilustrativos do comportamento humano e empresarial. A bibliografia nesse contexto é extensa, apresentada por significativos autores e obras das quais cito abaixo alguns casos:

 

1. O CLIENTE COMO META

 

A AVIS, locadora de autos, num momento de extrema dificuldade financeira, tinha excessiva reclamação do pessoal de vendas pelo sistema, que dificultava o atendimento no balcão. Decidiu, então, que os especialistas que criavam os processos fossem às lojas e executassem as vendas. No retorno deles houve acentuada melhoria no sistema e apenas uma baixa. Um dos técnicos, ao entrar o primeiro cliente, se escondeu debaixo do balcão.

 

2. O POSITIVO EXTRAIDO DO NEGATIVO

 

A mesma AVIS estava sempre sem filas, menos pelo novo sistema e muito mais pela concorrência da HERTZ, líder de mercado. A AVIS começou então a mostrar as filas na HERTZ e convidar os clientes a evitar a demora indo para as lojas AVIS. Deu certo.

 

3. A MAXIMIZAÇÃO É MAU NEGÓCIO

 

Em reunião da diretoria de uma grande corporação química, o Gerente de Crédito expôs com orgulho o resultado alcançado de 0% de inadimplência, número jamais atingido durante longos anos anteriores. Ao que o CEO retrucou: talvez por nunca ter alcançado essa marca a empresa tenha durado tanto, pois com crédito restrito ela certamente estaria perdendo clientes e posição no mercado.

 

4. A DURAÇÃO DA REUNIÃO É INVERSAMENTE PROPORCIONAL AO CONHECIMENTO

 

O Prof. Parkinson idealizou uma reunião de aprovação de orçamento em que se discutiam investimentos desde reator atômico e galpão industrial até chá e café para reuniões festivas. Como apenas um presente tinha condições técnicas para o maior investimento e todos tinham para chá e café, os tempos gastos foram proporcionais ao conhecimento disponível na reunião. Poucos minutos para milhões de dólares e muitos para poucos dólares.

 

5. A SUPREMACIA DA PUBLICIDADE*

 

O Dr. Robert Cade, da Universidade da Flórida, na década de 1960, desenvolveu uma bebida para esportistas: o Gatorade. O “Florida Gators” testou-a e ficou conhecida como a equipe vencedora do segundo tempo por causa de sua resistência. Quando ganharam o Orange Bowl, o técnico perdedor disse: ”não tínhamos bebido Gatorade; isto fez diferença”. A “Sports Illustred” publicou. E o momento mágico se prolongou. O Gatorade passou a ser a bebida oficial da National Football League, da National Basketball Association, da Professional Golf Association, da NASCAR, etc., cujo porta voz durante anos foi Michael Jordan.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

 

PS: * Publicidade é a comunicação não paga, também chamada de RP Relações Públicas. A Propaganda é a comunicação paga.

Dá pra ser feliz trabalhando?

 

building-1210022_960_720

 

A busca do emprego é uma constante, especialmente diante da crise que se enfrenta no Brasil. Estar empregado, porém, não é garantia de felicidade. O ambiente corporativo é alvo de uma quantidade impressionante de críticas. Foi, por exemplo, o item preferido dos internautas que participaram de enquete, proposta pelo Jornal da CBN, através do Twitter, no sábado, que queria saber o que as pessoas mudariam se tivessem este poder:

 

 

 

Mesmo levando em consideração que tratamos aqui apenas de uma enquete e não pesquisa qualitativa, é fácil entender esse desejo. O clima organizacional tem desafiado gestores de todas as espécies pela incapacidade da maioria deles de equilibrar o bem estar de seus funcionários e os resultados almejados pela empresa. A insatisfação está evidente nas conversas que temos com profissionais, independentemente do crachá que pesa em seu pescoço.

 

No meu TweetDeck, mantenho coluna de busca com o termo “mundo corporativo”. Toda mensagem escrita no Twitter com essas duas palavras aparece em destaque para mim. Falar mal do chefe, das regras e das relações é das mensagens mais comuns postadas na rede.

 

Nesta semana, está no ar, entrevista que realizei com Facundo Guerra, empresário do setor de diversão e entretenimento (se é que posso caracterizá-lo assim), com forte atuação na noite paulistana. Ele foi nosso convidado na série de podcast CBN Professional, que realizamos em parceria com a HSM Educação Corporativa.

 

Aos 43 anos, Facundo formou-se em engenharia, foi em busca de pós-graduação, trabalhou como empregado, ganhou destaque nas empresas que passou, e com o destaque veio o dinheiro. Ser bem remunerado, no entanto, não foi suficiente para atender seus desejos. Diz ter vivido 30 anos do mundo corporativo em apenas 10, intensidade que não veio acompanhada de felicidade:

 

“É o principal problema quando você trabalha no mundo corporativo: o produto é a tua carreira”

 

 

Hoje é empreendedor, dono de casas de balada, bares e restaurantes, em São Paulo. Em breve será também escritor, pois pretende lançar livro para contar suas experiências e logo vai produzir série na televisão. Em 10 anos já abriu 15 negócios, o que deixa claro que não era a intensidade do trabalho que o incomodava no mundo corporativo.

 

Mesmo satisfeito, Facundo não se ilude. Sabe das dificuldades enfrentadas por quem encara o negócio próprio. Ele tem noção da responsabilidade que assumiu diante dos outros, seja os funcionários e suas famílias que dependem do sucesso do negócio dele, sejam os parceiros com quem se relaciona, sejam os clientes a quem tem de atender com excelência (que não apenas estão mais exigentes como fazem questão de amplificar o que pensam nas redes sociais).

 

Ao menos no caso dele, se a vida como empreendedor não é mais fácil, é mais feliz:

 

“Hoje eu tenho uma vida que eu manipulo o mundo a minha volta”

 

 

O que você pode fazer para tornar sua vida mais feliz no mundo corporativo?

#ViUmTrampo dá publicidade a vagas de emprego oferecidas na porta do comércio

 

INSTA

 

Ideias simples podem trazer soluções simples. Foi o que fez o publicitário José Celso de Oliveira ao abrir no Instagram o perfil “Vi Um Trampo” com o objetivo de dar visibilidade às vagas de emprego oferecidas pelo comércio.

 

As pessoas são convidadas a fotografar os anúncios colocados geralmente na porta de uma loja, barbearia, cabeleireiro, restaurante e outros estabelecimentos comerciais. Todo conteúdo postado no Instagram com a hashtag #viumtrampo ou recebido no e-mail viumtrampo@gmail.com é compartilhado no perfil. Quando fotografar, é importante incluir o nome da cidade, da empresa e da rua na legenda. Assim, o anúncio que antes ficava restrito às pessoas que passam em frente ao local, ganham publicidade na rede social.

 

thumbnail_viumtrampo-01.jpg

 

Na quarta-feira passada, havia comentado do projeto na CBN Rio, onde centenas de pessoas se aglomeraram na porta de um shopping em busca de emprego. E na quinta, falei no Jornal da CBN, em São Paulo, logo após a informação de que o número de pessoas desocupadas é de 13,3 milhões, no Brasil.

 

Hoje são pouco mais de 110 postagem ou oportunidades de empregos que podemos encontrar em #ViUmTrampo. A medida que o perfil é divulgado aumenta o número de seguidores. Se até quinta-feira passada eram 1.500, nesta segunda já são mais de 1.900 – e espero que este número aumente a medida que estejamos falando do assunto.

 

“A ideia é alcançar o maior número de pessoas seguindo e enviando vagas para tentar fazer essa plaquinha realmente encontrar alguém que precise”, diz José Celso em mensagem que me enviou por e-mail, há uma semana.