Dia das mães é destaque e supera PIB

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

mall-2595002_960_720.jpg

 

No calendário comercial, o dia das mães é uma das datas mais importantes pela sua contribuição ao volume de negócios, e pela carga emocional que inspira.
É por isso que o resultado numérico é sempre acompanhado com avidez e agilidade. Algumas vezes em excesso, o que prejudica a necessária assertividade.

 

Entre as fontes de informação, temos a Serasa Experian que registrou vendas 5,7% maiores na semana antecedente e 5% no final de semana do dia das mães. Com destaque para a cidade de São Paulo, que apresentou respectivamente 6,5% e 6,8%.

 

O CNDL e o SCPC Brasil informam um crescimento nas vendas parceladas de 6 a 12 de maio 2018 de 2,86% em relação a 2017. Enquanto que o Boa Vista SCPC apresentou 4% de aumento contra 1,6% registrado no ano passado.

 

Dentre as várias entidades pertinentes ao setor, dedicamos especial atenção a ALSHOP, que congrega os lojistas de Shopping Centers, tão em evidência pela importância do formato e pelas novas características do mercado. A ALSHOP Associação de Lojistas de Shopping, sempre foi das primeiras a fornecer informações dos resultados pós-datas marcantes, embora tenha sido mais cautelosa com os dados deste ano.

 

O Diretor de Relações Institucionais, Luís Augusto Ildefonso, coordenou o levantamento dos dados referentes à Previsão e a Avaliação das Vendas para o dia das Mães. Tomou como base os 50 mil associados da ALSHOP, considerando um total de 70 mil entre tantos que mantem contato com a entidade.

 

Foram elencados os segmentos de Moda Feminina, Acessórios, Bolsas e Calçados, Cosméticos, Joias, Bijuterias e Perfumaria. Dentre estes, selecionados os mais representativos e desconsiderados os que se recusaram a fornecer dados.

 

Respostas extremas, para mais ou para menos, não foram tabuladas.

 

A pesquisa foi realizada por telefone, e 70 empresas participaram da amostra pesquisada.

 

A Previsão estimou crescimento de 6% e a Avaliação registrou aumento de 5% sobre 2017.

 

Até ontem, as análises indicavam que havia um compasso entre o varejo das mães e a economia brasileira, que crescia. Mas, com o dado de hoje que indica uma prévia do PIB com queda de 0,13%, o varejo em descompasso é destaque positivo.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Avalanche Tricolor: o futebol foi justo com o Grêmio

 

Monagas 1×2 Grêmio
Libertadores – Venezuela

 

 

lg-noticias-gra-mio-vence-o-monagas-e-garante-classificaa-a-o-para-a-pra-xima-fase-da-libertadores-21155

O gol da justiça em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

O Grêmio foi a Venezuela em busca dos três pontos e jogou o necessário para trazer para casa a liderança do grupo A, na Libertadores. Entrou em campo com com a defesa titular, o meio de campo — que teve o reforço de Ramiro – e o ataque alternativos 

 

Cícero que costuma jogar boa parte das partidas, geralmente no segundo tempo, foi escalado. Alisson, nossa espécie de 12o titular, também — mas com pouco minutos de jogo sentiu lesão na perna e teve de ser substituído.

 

Renato montou a equipe de forma calculada. Sabia que o time não poderia render o mesmo que vem rendendo nas partidas em que jogam todos os titulares — mas tinha consciência que os 11 escalados estavam aptos a superar o adversário.

 

E fomos melhores durante praticamente 90 minutos de jogo. Dominamos a partida, anulamos as jogadas de ataque, ocupamos o meio de campo e tocamos bola com a precisão que o gramado permitia — aliás, um gramado muito aquém do que se deve exigir no futebol profissional.

 

Se no primeiro tempo arriscamos uma ou outra jogada na frente, no segundo, a pressão aumentou, especialmente pela esquerda. Curiosamente, foi do outro lado direito que surgiu o gol, após Ramiro arriscar de fora da área e pegar a defesa de surpresa.

 

Com a vitória parcial, a intenção era deixar o tempo passar reduzindo ao máximo os riscos lá atrás.

 

O adversário realmente fez muito pouco para merecer o empate. Na primeira vez que chegou ao nosso gol, Grohe fez o que sabe fazer — defendeu de maneira espetacular. Na segunda, quando o ponteiro já girava nos acréscimos, a injustiça: Kannemann tentou tirar a bola e marcou contra.

 

O empate nos deixaria em segundo no grupo e em função da tabela dificilmente conseguiríamos chegar à liderança na última rodada, mesmo com um vitória na Arena. Parecia que o futebol nos pregaria mais uma peça, cometendo uma injustiça contra o time mais qualificado do grupo e que se mostrava muito superior ao adversário.

 

Sabemos bem que o futebol tem dessas coisas. Nem sempre o melhor vence. A bola que você chuta bate no travessão, o passe final é desviado por um buraco no campo e o drible que deixaria o atacante na cara do gol é desperdiçado. De repente, um descuido aqui e um tropeço ali e o gol adversário se realiza. O futebol está cheio de injustiça e por muitas vezes já fomos vítimas desses eventos.

 

Quando parecia que nada mais restava fazer, além de lamentar o empate, lançamos a bola para dentro da pequena área e Cícero que estava prestes a dominá-la foi derrubado. Entre o empurrão sofrido e o pênalti assinalado foram milésimos de segundos — tempo suficiente para me passar pela cabeça as injustiças cometidas contra o Grêmio pelo árbitro do fim de semana passado, que não marcou ao menos duas penalidades a nosso favor.

 

Desta vez foi diferente — o juiz estava bem colocado e não titubeou. Pênalti marcado quando o relógio estava fechando o tempo extra. Confesso que, mesmo assim, as injustiças de outros tempos voltaram a me atormentar.

 

Quando vi Jailson pronto para a cobrança cheguei a pensar quanto as circunstâncias de um jogo podem ser injustas com um jogador como ele, que vem tentando reconquistar o lugar no time.

 

Errar em um momento tão decisivo não me surpreenderia. É muita pressão e emoção — pois o Grêmio acabara de levar um gol e aquele seria o último e definitivo lance da partida.

 

Jailson teve personalidade, bateu forte e distante do goleiro — fez o gol que colocaria o Grêmio em primeiro lugar no grupo A e nos deixaria próximo da melhor campanha de todos os demais times que disputam a Libertadores.

 

O futebol que já nos ofereceu tantas injustiças desta vez foi justo!

Autor fala dos desafios dos jovens que têm de amadurecer no século 21

 

 

WhatsApp Image 2018-04-20 at 10.20.16

 

 

“Nascido nos anos de 1960 e iniciando-me profissionalmente duas décadas após, fui foca nas redações de jornalismo em tempos nos quais a figura do mentor era desconhecida. Contei com a ajuda de profissionais mais antigos que viram algum potencial naquele jovem de cabelo comprido, calça de abrigo costurada no joelho e chinelo de dedo.

 

 

Mesmo que exercendo a função por intuição, eles me ajudaram a pensar o jornalismo, a identificar minhas competências, a refletir sobre mudanças dentro da carreira e, claro, a me vestir de forma mais apropriada. Alguns foram além: deram-me a oportunidade de rever minha relação com as pessoas e a família. E agradeço ao esforço deles.

 

 

Os desafios profissionais de hoje e o cenário em que os novos jovens estão inseridos, no entanto, tornam a função do mentor essencial e exigem dos profissionais que aceitam exercer este papel cuidado extremo e muita sensibilidade.

 

 

Sidnei Oliveira de maneira simples, direta e objetiva – que considero a mais perfeita forma de se comunicar – torna essa caminhada mais segura ao compartilhar sua experiência no relacionamento com jovens e na formação de mentores. Um livro para nós que estamos maduros no mercado e podemos nos transformar em mentores, para o jovem que constrói sua maturidade e, creia em mim, para os pais deles, também”

 

 

O texto acima está publicado na contracapa do livro ‘Cicatrizes — os desafios de amadurecer no século 21’, escrito por Sidnei Oliveira, mentor e consultor que tem se dedicado a estudar o comportamento das novas gerações que chegam ao mercado de trabalho. O livro será lançado nesta terça-feira, dia 15 de maio, às 19 horas, na livraria Cultura do Shopping Iguatemi, quando terei a oportunidade de participar de um bate-papo com o autor.

Avalanche Tricolor: o empate no Gre-Nal

 

 

Grêmio 0x0 Inter
Brasileiro – Arena Grêmio

 

 

41345228684_5487084845_z

Luan supera a marcação, em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

 

Não foi o massacre que alguns dos nossos anunciaram ao fim da partida. Massacre foi o 5 a 0 que fizemos, em 2015, ou o 3 a 0, do Gauchão deste ano. Ali, sim, não sobrou pedra sobre pedra.

 

 

No Gre-nal da tarde de sábado, que marcou o início da rodada do Campeonato Brasileiro, dominamos toda a partida e a bola rodou entre os pés gremistas por quase 70% do jogo. Chutamos mais a gol, cobramos muito mais escanteio, roubamos mais a bola e, provavelmente na única estatística que perdemos para o adversário, erramos menos passes.

 

 

Se quiser incluir aí nos seus números, também tivemos muito mais pênaltis não-marcados — fala-se em dois, mas podem ter sido três os lances em que o árbitro não enxergou a irregularidade. Nem ele nem o amigo dele que fica assistindo à partida na linha de fundo. Se pudesse voltar ao tempo, certamente teria me preparado para atuar nessa função — já imaginou, assistir a todos os jogos pertinho do gol, não pagar ingresso, não fazer nada e ainda ganhar uma grana para isso?

 

 

Apesar da supremacia gremista, o gol não saiu. Encontramos um adversário com 11 jogadores na marcação. Às vezes 12, como no primeiro tempo, quando Maicon enfiou a bola entre os marcadores e encontrou Cortez dentro da área e de frente para o gol — o árbitro fez o que os marcadores não tinham conseguido. Às vezes 13, como na tentativa de cruzamento de Madson, no segundo tempo, em que a bola foi parar no escanteio depois de desviar no braço do marcador — neste lance nem o juiz nem seu amigo viram nada.

 

 

Saímos de campo com sabor de derrota, como disse Luan logo após o jogo — pouco depois de ter sido agredido por um adversário que estava no banco de reservas e entrou em campo apenas para causar confusão, e não foi punido nem teve seu nome registrado na súmula pelo árbitro.

 

 

Saímos de campo descontentes, como disse Maicon ao analisar o sentimento do único time disposto e em condições de jogar bola. Descontentes porque também era o único time em campo capaz de fazer aquilo que o técnico do adversário havia desejado em entrevista antes do jogo: um futebol bonito.

 

 

O Grêmio jogou o futebol bonito que o caracteriza porque só sabemos jogar assim. Mas o futebol nem sempre privilegia os melhores — é dos poucos esportes que permite que os medíocres perseverem. E sorriam ao fim da partida, mesmo depois de terem sido completamente dominados e massacrados taticamente.

 

 
Ops, perdão! Massacre foi o 5 a 0 que fizemos, em 2015, ou o 3 a 0, do Gauchão deste ano. Ali, sim, não sobrou pedra sobre pedra. Hoje, os caras tinham mesmo que comemorar! Empataram com o melhor time do Brasil.

Mundo Corporativo: Luciano Meira diz como ser produtivo na era da sabedoria

 

 

 

 

 

 

A necessidade de as empresas estarem sempre em busca de resultados imediatos não pode ser justificativa para que se atropele o bem-estar das pessoas. O alerta é do consultor Luciano Alves Meira —- entrevistado do jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Meira é um dos fundadores da Caminhos, empresa que trabalha com desenvolvimento humano, e escreveu o livro “A segunda simplicidade — bem-estar e produtividade na Era da Sabedoria” no qual defende que a preocupação das organizações seja ajudar seus profissional a se desenvolverem de forma plena:

 

 

“Se as organizações tivessem um olhar mais diferenciado — vamos partir para um desenvolvimento mais integral das pessoas sem nos preocupar agora com o resultado de curto prazo — os resultados de longo prazo seriam infimamente maiores do que são hoje; eu digo que isso é um limitador do próprio capitalismo, do sistema que estamos vivendo; é não saber olhar para o ser humano com toda sua potencialidade”

 

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas da manhã, no site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar aos sábados, no Jornal da CBN, ou aos domingos, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboraram com o Mundo Corporativo Gustavo Boldrini, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Conte Sua História de São Paulo: o passeio com papai nas lojas do centro

 


Por José Antonio Braz Sola
Ouvinte da CBN

 

No Conte Sua História de São Paulo, o texto do ouvinte da CBN José Antonio Braz Sola:

 

 

Início dos ano de 1960. Morávamos em Pinheiros, perto do Largo. Eu tinha uns sete anos idade e minha irmã, quatro. Nos domingos, em que meu pai — que era comerciário — tinha folga, passeávamos com ele, de ônibus ou de bonde, enquanto a mamãe, em casa, cuidava do almoço mais caprichado da semana.

 

Frequentávamos o Parque da Água Branca, onde podíamos ver e até tocar alguns dos bichinhos que nos encantavam — especialmente bois, vacas e cavalos.

 

Eu ficava particularmente feliz quando passava em frente ao Palestra Itália, sede do clube pelo qual já era e ainda sou apaixonado

 

Fazíamos passeios também no Centro, onde ficávamos maravilhados com as vitrines das lojas mais conceituadas da cidade, nas Ruas Barão de Itapetininga, 24 de Maio, na rua do Arouche e na Praça da República.

 

Na Praça do Patriarca admirávamos a vitrine da Kopenhagen, que estava sempre ornamentada maravilhosamente, sobretudo em datas especiais como Páscoa e Natal. Aliás, em dezembro era obrigatório ver e falar com o Papai Noel, no Mappin. Tinha também o presépio mecanizado, na Galeria Prestes Maia.

 

O dinheiro do papai era pouco, mas ele dava um jeitinho de nos oferecer um lanche — sempre acompanhado do insubstituível Guaraná Caçula Antárctica. Sou capaz de sentir o sabor enquanto escrevo essas lembranças da minha querida São Paulo.

 

José Antonio Braz Sola é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capitulo da nossa cidade: escreva para milton@cbn.com.br

Avalanche Tricolor: a alegria de Thaciano é a alegria da gente

 

 

Grêmio 3×1 Goiás
Copa do Brasil – Arena Grêmio

 

27137083857_cb311d3033_z

A emoção de Thaciano registrada na lente de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

Na história do futebol, a partida desta noite na Arena ficará apenas para as estatísticas. Se conseguirmos chegar ao Hexa da Copa do Brasil, poderá ter algum destaque e os gols de Alisson e Thaciano aparecerão no DVD do título — aliás, ainda produzem este material ou nos contentamos com o que está publicado no You Tube? Pergunto porque sou do tempo em que o legal era ter no arquivo o disco com os gols, produzidos pela Rádio Guaíba (mantenho vários deles aqui em casa).

 

O Grêmio já havia garantido a classificação às quartas-de-final no primeiro jogo quando venceu por 2 a 0 na casa do adversário. Nesta noite, teria apenas de confirmar a passagem e por isso Renato preferiu investir no time alternativo. O próprio adversário não via muitas chances de recuperação e também entrou em campo com seus reservas.

 

O público de pouco mais de 12,5 mil pessoas sinalizava a importância desta partida em meio a tantos outros jogos decisivos que estão na nossa agenda.

 

Mesmo com a pouca relevância da partida, ver Cícero, na posição de segundo volante, meter bola dentro da área no pé de Alisson, como no primeiro e terceiro gols do jogo, é alvissareiro. A temporada congestionada de jogos exigirá muito do elenco, e jogadores que estão no banco terão de ser usados com maior frequência se pretendemos nos manter vivos em todas as competições que disputamos.

 

Cícero já tem seu lugar na história com o gol que nos encaminhou o título da Libertadores, em 2017. Alisson é o 12º titular a ponto de já ser um dos goleadores do time, mesmo entrando sempre no segundo tempo. Com a possibilidade de sair jogando e demonstrando tremenda agilidade em campo — como hoje — fez dois gols e deu assistência para outro.

 

E é sobre o outro gol que quero falar com você, caro e raro leitor desta Avalanche — o gol de Thaciano, marcado aos 30 minutos do segundo tempo, quando a classificação já estava confirmada. A jogada foi bonita, sim, com a bola sendo conduzida por Alisson até a entrada da área e sendo passada por trás dos zagueiros. Foi tanta precisão que havia não um, mas dois jogadores em condições de chutar.

 

Quem chutou foi Thaciano — um garoto de 22 anos, prestes a completar 23, no próximo sábado. Com nome estranho, Thaciano Mickael da Silva, nasceu em Campina Grande, na Paraíba, estado muito bem representado por seu sotaque, como foi possível ouvir na entrevista pós-jogo. Começou no Porto de Pernambuco, foi parar no Boa Esporte, em Minas, time ao qual pertence até hoje —- ele está emprestado ao Grêmio.

 

Thaciano chegou a jogar no início da temporada no time de jovens que representou o Grêmio em boa parte da fase de classificação do Campeonato Gaúcho. Fez pouco, como fez pouco quase todo aquele time. Desde lá, ficou treinando entre os reservas e nunca mais havia tido oportunidade entre os titulares.

 

Hoje saiu no banco e foi chamado por Renato para substituir Lima, aos 26 do segundo tempo, quando a partida ainda estava empatada. Em quatro minutos apareceu dentro da área, recebeu a bola de Alisson, fez um giro sobre a própria perna e marcou seu primeiro gol com a camisa do Grêmio.

 

O desequilíbrio provocado pelo chute a gol o deixou de joelhos para comemorar. Os olhos se fecharam e a expressão no rosto, registrada pelas câmeras da televisão, revelava sua emoção. Ensaiou um choro pela alegria do gol. E foi retribuído pelo abraço dos colegas que perceberam o que representava aquele momento para o jovem atacante.

 

Mesmo que a partida de hoje, frente a tantas apresentações magistrais registradas pelo time de Renato neste ano, fique apenas nas estatísticas e, tomara, no roteiro do Hexa da Copa do Brasil, ver a emoção de Thaciano deu uma relevância especial para o jogo desta noite, na Arena.

 

A alegria dele é a alegria dos garotos da pelada que um dia sonharam jogar em um time grande — é a alegria que eu sonhei ter um dia na minha vida.

Igreja em shopping

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

22291390_171371716771931_6640151818550665693_o

Igreja Batista da Lagoinha, no shopping (foto: divulgação)

 

Em Betim – MG, o Shopping Monte Carmo, em atitude inovadora, abriga a Igreja Batista da Lagoinha, desde agosto de 2017.

 

O Estadão de domingo, em artigo que destaca mudança de foco do Shopping, traz o relato da inédita abertura de área para cultos religiosos.

 

Segundo Maria Chiara, autora da reportagem, a intenção do Monte Carmo visa a ocupação de espaços vazios — tema familiar ao Shopping, pois na abertura tinha apenas 12 lojas em área de 34 mil m2. Quando foi vendido pela Saphyr para a Sodepar a vacância era de 52%, em 2016. Hoje é de 15%.

 

A igreja passou a fazer parte do grupo de serviços que são oferecidos, como os Correios, a Receita Federal e a Faculdade Pitágoras. A esse respeito o testemunho do gerente Cesar Miranda ressalta:

 

“A igreja é um ‘case’ de sucesso, que se converteu em aumento de receita para inúmeras operações do shopping”

 

Acreditamos que mais do que um caso, esta pode ser uma questão de várias vertentes, diferentemente de mudança de foco ou de esquizofrenia dos shoppings, como citado por Márcia Sola do IBOPE.

 

Se há um consenso que mesmo as modernas empresas afeitas às novas tecnologias e propensas ao omni-channel e ao unified commerce também sofrem as consequências das mudanças e desejos do novo consumidor, não há unanimidade quanto ao caminho a seguir.

 

Uma das dificuldades ao prever o futuro é a impossibilidade de visualizar as quebras de paradigmas que virão, pois como sabemos a incerteza é a única certeza.

 

Ainda assim, neste caso de Betim, se creditarmos o depoimento de Miranda ao afirmar que houve benefícios a outras unidades, podemos inferir que esta cadeia positiva pode ser um condutor ao estilo de vida. E a experiência de compra dentro de um centro comercial homogêneo leva a um Lifestyle, que pode ser o caminho futuro.

 

Eliana Tranchesi foi quem melhor traduziu esta possibilidade com a Daslu. A volta ao futuro de Eliana pode ser a via de diferenciação.

 

O rígido lifestyle reflete bem a segmentação comportamental de hoje, com tribos hermeticamente alinhadas.

 

Que venham os shoppings por LIfestyle!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Falando com as máquinas

 

Amazon-Alexa

 

Dia desses testei pela primeira vez o uso do sistema de voz para pedir orientação ao aplicativo de trânsito — parece incrível que o recurso esteja disponível há tanto tempo e eu continue a dedilhar os endereços onde pretendo chegar. É cultural. Mesmo a TV conectada que recebe comando de voz segue sendo acionada em casa pelo controle remoto. Sempre fiz assim. Nunca me senti confortável falando com uma máquina — ainda que tenha dedicado a vida a falar com um microfone.

 

Ao telefone, quando procuro o call center de algumas empresas, a máquina que me atende tenta disfarçar sua falta de humanidade. Se esforça para revelar intimidade que não existe entre nós. Faz perguntas com reticências, mas não me engana. É máquina como qualquer outra e minhas respostas saem em tom de constrangimento. Acho estranho.

 

Por outro lado, minha sobrinha americana mais nova já faz lição de casa com auxílio de uma assistente digital, para a qual faz perguntas ao deparar com uma dúvida ou pede música para acompanhá-la enquanto realiza os trabalhos escolares. Lá no país em que mora quase um quinto das casas têm assistentes de voz — logo ocuparão o cômodo das nossas casas aqui no Brasil, em grande escala, também, porém antes a maioria delas terá de falar em português.

 

As novas gerações estão aderindo muito rapidamente a esses equipamentos, talvez até em maior velocidade do que aderiram aos smartphones. Nós, migrantes digitais, também vamos nos acostumar com essa realidade. E o que para mim ainda é constrangimento ganhará ares de naturalidade.

 

Relatório da National Public Media, contou o Globo dia desses, mostra que a maior parte dos americanos usa os assistentes para ouvir música (60%), responder a uma pergunta (30%), contar uma piada (18%) —- convenhamos, que coisa mais sem graça —, falar sobre o clima (28%), ligar o rádio (13%) — esta eu gostei —, dar notícias (13%) e programar o alarme (13%).

 

Como em todos os avanços tecnológicos que impactam nossos hábitos é preciso cuidado — corremos o risco de criarmos filhos que falam mais com as máquinas do que com os pais. Ou com os amigos.

 

Aliás, já estamos fazendo isso — e o inimigo nas são as máquinas — como se percebe em reportagem da edição dominical de O Globo, na qual traduz texto da pesquisadora Rachel Simmons, publicado originalmente no Washington Post.

 

Segundo ela, estudo de uma empresa de saúde identificou que a turma mais velha do que minha sobrinha, jovens de 18 a 22 anos, forma a geração mais solitária de americanos.

 

Jovens solitários, que triste!

 

Apesar do uso constante de equipamentos eletrônicos — como celulares e assistentes digitais — , estes estão longe de serem os responsáveis pela solidão. O grande mal constatado é o excesso de tarefas na fase entre o fim do ensino médio e o período na universidade.

 

Com agenda repleta, eles e elas têm pouco tempo para o convívio — mesmo que estejam realizando trabalhos em grupo. Não conversam sobre a vida, têm de falar de compromissos.

 

Pesquisa de Calouros da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) de 2015, que inclui respostas de 150 mil estudantes em tempo integral de mais de 200 faculdades e universidades, mostrou que o número de alunos de primeiro ano que passavam 16 ou mais horas por semana com os amigos caiu pela metade em dez anos —- são apenas 18%.

 

Mesmo se a oportunidade de relaxar surge, ficam constrangidos, pois temem serem vistos como pessoas desocupadas, sem objetivo na vida. Sofrem pressão em casa, na escola, dos gestores e dos grupos sociais em que sobrevivem.

 

Se realmente decidirmos entregarmos nossos filhos mais novos à companhia de assistentes digitais, acreditando que preencheremos a lacuna de nossa ausência, é provável que os próximos estudos revelem crianças solitárias — menininhos e menininhas que deixarão de conversar amenidades, sequer saberão como olhar no olho do outro e incapazes de exercitar a generosidade.

 

Simmons escreve que “a capacidade de fazer amigos atrofia se não for usada”.

 

Precisamos de amigos para confidenciar nossas angústias e nossos filhos precisam de pais mais próximos e dispostos a conversar com eles sempre que forem “acessados” — com a mesma agilidade que as máquinas o fazem, mas com o amor que só os seres humanos são capazes de oferecer.

Avalanche Tricolor: vitória para quem ama o esporte, como Marcelo Barreto

 

Grêmio 5×1 Santos
Brasileiro – Arena Grêmio

 

40131975610_3b168a853a_z

Alegria, alegria em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

Dos cronistas que os jornais brasileiros reservam para as edições dominicais, gosto muito de ler Marcelo Barreto — que a maioria dos caros e raros leitores deste blog conhece da SporTV. Logo cedo quando abri o caderno de esportes de O Globo, li a coluna na qual ele se penitenciava por ter desperdiçado oportunidades de escrever sobre as coisas lindas do esporte, como a cesta de três pontos de LeBron James no segundo final da partida que garantiu uma das vitórias do Cleveland Cavaliers sobre o Indiana Pacers, na NBA.

 

Barreto escreveu que lamentava ter perdido a capacidade de se encantar com as coisas belas do esporte — provavelmente porque sua visão anda embaçada por cenas de torcedores brigando na arquibancada, jogadores se engalfinhando em campo e cartolas roubando nos bastidores. Mesmo para jornalistas com a qualidade dele, é difícil impedir que a visão seja contaminada por esses fatos, tantas são as mazelas esportivas que temos de noticiar —- sem contar o cotidiano nas redações, onde há muita competição e tarefas frequentes a serem cumpridas.

 

Ao mesmo tempo que faz uma espécie de mea-culpa, Barreto deixa registrado que ama o esporte e só precisa ser lembrado disso de vez em quando.

 

Lembrei muito dele na noite deste domingo enquanto assistia ao Grêmio jogar na Arena, em Porto Alegre. E torci para que Barreto tenha tido oportunidade de ver o futebol jogado pelo time de Renato. Seu coração deve ter batido mais forte e o sorriso tomado conta de seu rosto ao longo dos 90 e pouco minutos em que a bola rolou de pé em pé com uma qualidade bem superior à média.

 

Desde os primeiros minutos, o Grêmio sufocou o adversário que não encontrava espaço para sair jogando ou trocar um passe que fosse. Assim que a bola era recuperada, passeava pelo gramado de um lado para o outro, às vezes era esticada por trás dos marcadores para chegar ao pé de um companheiro mais próximo da linha de fundo ou enfiada na área.

 

Quando a marcação se fechava, Maicon e Arthur conduziam a bola colada no pé, de cabeça erguida e com o olhar vislumbrando o colega mais bem colocado. Se chegasse a Luan, a jogada fluía com dois ou três dribles curtos. E o mesmo se repetia com Everton — especialmente depois que nosso goleador marcou o primeiro gol.

 

Os laterais Cortez e Léo Moura apareciam livres a todo o instante e se transformavam em ponto de apoio para a jogada seguir em frente — às vezes em trocas rápidas e precisas de passes, às vezes em escapadas para o cruzamento.

 

André e Ramiro se deslocavam mais adiante e se apresentavam para dar sequência no lance e quando possível chegar ao gol — e o Grêmio colocou a bola cinco vezes dentro do gol e a fez chegar próximo dele em incontáveis oportunidades.

 

O Grêmio fez gol de toque, fez gol de falta, fez gol a longa e média distância e fez gol na cara do gol. Usou todo seu repertório. O Grêmio foi um show na noite deste domingo — para a alegria de quem ama o esporte.

 

E se você, Marcelo Barreto — que ama o esporte — gostou do jogo de hoje, imagine o sentimento de quem ama o Grêmio como eu!?

 

Em tempo: pelo que o Grêmio faz no futebol e LeBron faz no basquete, será um prazer ler as próximas crônicas dominicais.