De submundo

 

Por Maria Lucia Solla


Ouça De Submundo na voz da autora

dinheiro refrigerante
entorpecente cigarro
café anfetamina
o último modelo do carro

sexo cocaína
agrotóxico maconha
álcool açucar
antidepressivo ansiolítico
crack heroína
extasy computador
chiclete morfina

remédio para emagrecer
para dormir
acordar transcender

droga
mais ou menos aceita
época vai
sociedade vem
delas não escapa ninguém

Ela vem, se instala, deixa um pouco disso leva um pouco daquilo, como a rede jogada no mar; como tudo na vida.

O dinheiro, por exemplo, é droga, mas não se faz plebiscito para decidir sobre o futuro dele; para saber quem é contra e quem é a favor. Não se cria comissão especial para criminalizar ou descriminalizar o dinheiro e, mesmo assim, é a droga que mais mata! Mata-se por ele e morre-se por ele todo dia, a cada minuto.

E é nessa falta de rumo, em meio ao que pode e o que não pode, que deixamos de reconhecer nossa verdade e criamos um submundo que possa viver por nós a face escura da vida. É nesse submundo que droga e crime florescem. Nós criamos, armamos e sustentamos o submundo, e gastamos o que sobrou blindando carros, trancando a casa, com medo do homem que nos lembra quem somos.

o que te tira o sono
não é o vasto mundo
mas o código diverso
do teu e do meu universo
que povoa o submundo

Nasce de nossa determinação sobre o que pode e o que não pode, a bandidagem. O proibido atrai, gera lucro atrelado ao risco, para o lerdo e para o corisco.

Insistindo em controlar e manipular, em manter o dedo acusador apontado, para mudar o mundo do lado de fora, não chegaremos a lugar nenhum. O mundo externo é reflexo do mundo interno. É difícil de entender, mas é a realidade. O que vemos fora é a foto holográfica do que carregamos em nós.

No início do século passado, o governo norte-americano proibiu o álcool através de uma emenda em sua constituição, a XVIII, o que atraiu e alimentou a Máfia. Quando percebeu a besteira que fez, desproibiu a proibição, arrancou o poder das garras do crime e sacramentou o fato na XXI emenda. Coisa de gente grande.

Cada proibição determina o ouro da vez, e criam-se exércitos para proteger a decisão tomada, não para proteger o homem. Não custa lembrar que a maneira mais rápida e eficaz de perder é agarrar; tentar controlar.

Pense nisso, ou não, e até a semana que vem.

Maria Lucia Solla é terapeuta, professora de língua estrangeira e realiza curso de comunicação e expressão. Aos domingos, escreve no Blog do Mílton Jung

30 comentários sobre “De submundo

  1. Lúcia, não dá para regulamentar as drogas e é por isso que forma-se os cartéis.

    Eu fiz essa pergunta em outros blogs, mas o pessoal não a acha pertinente, mas aqui vai:

    Hoje apreenderam mais 3 toneladas de drogas no RJ. Somando-se com a da semana passada, teremos 36 toneladas,(TOLENADAS), não se espante. Isso somente no complexo do alemão. São 157 comunidades no total, se não aumentaram.

    Pergunto: Se todos os traficantes do RJ fossem presos e não houvesse mais consumo de drogas na cidade,(hipotético), o que seria de seus moradores ? Iriam surtar ????

    O problema é mais embaixo, conforme você citou “entrelinhas” no seu texto.
    A resposta: Precisamos mais de valores morais a permear o nosso dia a dia, fora que a frase de Sócrates é bem atual:
    “Conheça-te a ti mesmo”

    Quem ousa ?????

    Já sei. Requer mais responsabilidade do ser humano, e nós brasileiros, infelizmente não somos muito afeito a isso.

  2. O dinheiro dá poder no mundo consumista.
    Se não existisse o que consumir não teria a necessidade dele.
    Nós revestimos poder à medida que possuímos mais.
    Proibição é engano, pois sempre o desejado se torna objeto da oferta e da procura.
    E tome dinheiro valioso quando as drogas são o objeto de proibição.

  3. Bom dia Mike Lima

    Dinheiro, dinheiro, dinheiro, posição social, status, consumismo, competições para ver quem é o mais rico, bem sucedido, mais bonito, carro mais bonito, lindas mulheres saradonas, homens saradões, entre outras bobagens materialistas.
    Em suma:
    Como sofre este tipo de gente heim!
    Resultado de muito músculo pouco ou nada de cérebro.
    Se drogam pelo abstrato, pelo passageiro, pelo efêmero.
    Principalmente os jovens de hoje, a maioria futeis, vazios, bobocas que não sabem o que esperam com o passar dos anos.
    Pensam que a vida atual que levam será a mesma ate o final dos seus dias.
    Ledo engano!

    Bom domingo e exelente semana.

    http://www.blogdoaitalo.blogspot.com

  4. olá!
    A realidade é um misto de princípios, entre a vontade do individuo e da coletividade. Quando esses princípios estão em harmonia nas mentes humanas, acontece o equilíbrio e automaticamente, surge uma realidade absoluta. O mal não está no dinheiro como moeda de troca e de serviço. A compra de produtos é necessário. Consumir e ser consumido por ele , é a razão do surgimento da deturpação de valores éticos ,morais e econômicos. Ter dinheiro não é ser possuído por um mal, afinal , ainda se vivencia um mundo do capital .Entretanto ,o mau uso dele ,se torna uma arma perigosa. Os compulsivos e os desajustados no trato com o dinheiro, sabe bem o que é isso!. Pobre dinheiro sofre as dores da humanidade! Ei você aí, me dá um dinheiro aí? Já dizia a música de carnaval em tempos passados.

  5. Prima querida, de tudo que voce escreveu, o mais importante é que nosso exterior reflete o nosso interior. Todos nós vemos este mundo mas a maneira como o enxergamos é única para cada um de nós e isto faz toda a diferença.
    beijocas
    Magutcha

  6. Malu,

    Pela primeira vez, comento um de seus textos com o coração despedaçado:

    Recebi uma ligação de meu amigo/irmão desesperado:

    – O meu filho teve uma recaída feia!

    Filho de meu grande amigo que vi nascer e crescer, que teve todas as chances na vida, com 24 anos é um alcoólatra. Ele é doente e, é genético! Tem tios com o mesmo problema.

    Droga: mesmo que lícita, é mais esperta que os mais espertos. Ela é covarde e busca os mais fracos: Os que tem pré-disposição para se tornar seu escravo.

    Li o texto do Milton, sobre o jogo do Grêmio: È um privilegiado por ter apenas que motivar seus filhos prestigiarem a luta de seus time de futebol, pela primeira vez no Olímpico, e ainda com churrasco em família. Meu amigo está lutando, motivando, tentando convencer seu filho a se internar novamente em uma clínica!

    Beijos e boa semana!

    • Beto,

      Deixe-me intrometer neste espaço: a realidade enfrentada por seu amigo atinge milhares de famílias neste instante, por isso é sempre importante celebrarmos os momentos de prazer que a relação com os filhos pode nos oferecer, fazer especial cada gesto, abraço ou beijo; sorrir quando seu filho pede ajuda para cortar o bigode precoce, fechar o computador na hora em que ele pede atenção para contar uma história, descrever fatos da sua vida qdo aparentemente ele pede apenas uma resposta. Aproveitar estas oportunidades nos consolará qdo os enfrentamentos surgirem, reforçará nosso espírito para encararmos as armadilhas do destino. Que seu amigo tenha espírito forte para enxergar neste caso uma provação, jamais um reprovação.

  7. Malu,
    O que você diz sobre proibir em lugar de educar tem muito que ver com a ótica de diminuir custo e aumentar resultados, máxima dos negócios mas que não pode servir ao propósito de governos.Unicamente por que pessoas não são produtos e atitude não pode ser regida por propaganda. Menos ainda quando a propaganda não corresponde ao que se pretende vender.

  8. O hedonismo tomou conta do mundo de forma quase irreversível, e nós respondemos muito bem a isso. Passar vontade não tem luxo, não tem glamour, mas fazer o quer na hora que bem entende é muito “bacana”.
    Claro que eu não critico isso a ponto de defender o sofrimento, autoflagelação.
    Mas se “desviciar” também é um luxo, porque liberdade é um luxo. A gente só não o percebe.
    E quer mais auto sabotagem do que se prender a algo a ponto de correr risco de perder a vida por isso?

  9. Milton,

    Este meu amigo, apesar de ser separado sempre foi um pai presente e exemplar. É uma fatalidade mesmo!

    Pelo que já li de vc sobre e para seus filhos, não erro em concluir que: vc diminui as chances e os inibe -ajudo-os a desenvolver bom caráter e discernimento- a cometer erros. Parabéns!

    • Beto,

      Todo o esforço é neste sentido, mas há fatores que influenciam os caminhos do ser humano que nos causam surpresas nem sempre agradáveis. O importante é estarmos sempre na busca do melhor percurso.

  10. Boa noite!
    Realmente, falar dos motivos dos desasajustes que ocorrem e uma sociedade é confuso e complicado. O ser humano tende a ser exigente, displicente, arrogante, humilde, orgulhoso,vaidoso, simples, austero etc…cada pessoa têm suas qualidades e cada uma delas se opõem a outra menos perfeitas. Educar parece ser simples e a família com a missão de dar o primeiro passo na formação desse indivíduo. Agora vem o questionamento:
    _Se essa família não teve ajuste , não viveu experiências positivas ou se viveu , não assimilou bem a instruções recebidas?Felizes são aqueles que tiveram suas experiências de boa formação e conseguiram dividir com a sua prole.A crise numa relação familiar em algumas vezes é suporte para um novo descobrimento do que faltava nesse ciclo familiar.Uma situação ruim pode contribuir para algo que surgira´ .. Na desordem pode ser o iniciar da ordem . Onde há sombra é por que a Luz, se acha sobre um obstáculo. Para atingir montanhas é preciso que o escalador passe pelos vales escuros e profundos, é necessário ser maleável e crer que tem um amanhã. O diálogo ainda é uma das melhores possibilidades para vencer batalhas quando o tema é formação de valores humanos.
    Assim disse Plinio Marcos
    \"Se os bois conversassem eles não iriam pacificamente para o abatedouro\"

  11. Ezequiel,
    Tá animada esta sala, né?!

    Bem, (“… o que seria de seus moradores ? Iriam surtar ????”) eu digo que fariam o mesmo que fazemos quando somos privados de alguma coisa, ou alguém, por quê ou quem estivéssemos viciados, ou doidos para nos viciarmos. Há tantas receitas de reação quanto o número de nós. Tira o açúcar, o sal, o café, – para falar nos mais comuns – da tua casa por uns 15 dias e se conheça (sem tomar calmantes e/ou excitantes vendidos na farmácia).

    Para relaxar, eu diria que o turismo de fim de semana se inverteria; os cariocas viriam passear em São Paulo. E pra relaxar mais um pouco, aqui vai uma piada do BOPE: Sabe qual a diferença entre marginal em São Paulo e marginal no Rio? Em SP marginal para; no Rio marginal corre.

    e a gente vai levando.

    beijo,
    ml

  12. Rafael,

    a gente também não precisa endemoniar o dinheiro, né?
    Ele é droga, sim. Mata e mata muito mais do que o cigarro e o álccol juntos, mas cria depois malha no poste?
    Fica sem pra ver!
    Proibição é engano, sim. É o engano mais enganado que eu conheço.

    beijo,
    ml

  13. Alpha India,

    boa noite.

    Eu confio nos jovens! Demais!

    Eles são diferentes porque é assim que se muda uma geração. Nós também fomos diferentes e fizemos a diferença. Se deu no que deu é porque não fomos – e não somos -suficientemente bons.

    Fomos jovens bons e ruins também, como os de todas as gerações, e de todas as raças antes e depois de nós.

    Tenhamos compaixão. A dor de viver é igual em todos nós.

    beijo,
    ml

  14. beto,

    e eu entendo o teu sentir. Nossa máquina tem dessas coisas. Os males do corpo e da alma podem matar. Tem gente que diz: ao menos está vivo e com saúde. Doce ilusão. Estar vivo é passar por tudo isso. É o enfrentamento, são as experiências – doces ou amargas – que nos impulsionam. Os limites, as provações, o querer e o não ter; o ter e o não querer.

    Não existe nada neste mundo que procure se impor sobre todo o resto – com exceção do homem. O açúcar é maldito porque mata o diabético? O amor é maldito porque mata o amante não correspondido? Tem gente descartando amor como se descarta um lenço de papel. Nossas razões têm caminhos surpreendentes.

    O filho do teu amigo precisa de médicos que entendam esse emaranhado de corpo e alma, e de amor; muito amor; mas só ele pode decidir se e como quer viver.

    Conta comigo, viu?

    beijo,
    ml

  15. sérgio,

    será que gato por lebre é só entre os humanos?

    quanto à educação, ando repensando. O ser humano tem um grau tão pirante de egocentrismo que acha que educar é fazer do outro um seu igual. Bom é o que se parece comigo! Certo é o que me faz bem. Isso tem que acabar também.

    Cachorro late, gato mia.

    beijo,
    ml

  16. Mike Lima
    Existem sim jovens promissores, inteligentes, solidários, que respeitam os mais velhos, são comedidos em muitos aspectos da vida.
    Aqueles que foram bem educados obviamente pelos seus pais, pois o exemplo sai de casa.
    Rico ou pobre.
    Outros porém por outro lado, tipo que estudam nas mais caras e tradicionais escolas, a cada nota alta papai e mamae, titia, vovó, dão um presentinho como recompensa, um novo pc, um game da ultimageração, set.
    Não podem tomar sol porque vai ficar dodoi, não pode por os pés no chão descalços porque o chão está cheo de germes e podem também constrir sérias doenças, papai e mamae levam-nos as escolas, baladas liberou geral, entram na faculdade, nada mais fizeram que cumprir sua obrigações, ganham de presente pelo grande feiro, um carrão da moda.
    Só que se por acaso acontece algum reves financeiro na vida dos pais, estes mimadinhos querridinhos do papai e da mamae, podem enloquecer literalmente, devido a falta de estrutura emocional, da falta de jogo de cintura, de esquina, de feelin, sem coragem para enfrentar a vida tal qual se apresenta.
    Citei recentemente o exemplo de dois jovvenzinhos perto dos 25 anos de idade que ainda recebiam pensão alimenticia do papai, e quando o papai ficou “na pior” desempregado, puseram o pai na justriça e o pai como não tinha o dinheiro, os atrazados da pensão foi parar na cadeia.
    Hoje este homem encontra-se doente.
    Incapaz para trabalhasr, toma uma variedade enorme de remedios, inclusive psiquiatricos para poder continuar a viver depois do tamanho desgosto que estes jovenzinhos deram ao pai que sempre foi carinhoso com os filhos, educado, trabalhador, pai presente, porque sei da sua historia porque minhas filhas estudaram no mesmo colegio e eram amigos.
    Um outro conhecido ex piloto que perdeu o emprego num taxi aereo, por causa da idade e financeira não pode mais voar, peitou um taxi, ate hoje trabalha com taxi.
    Conheceu uma passageira, executiva, se apaixonara, passaram a viver juntos e as filhas da companheira do conhecido passaram a destratar o piloto e a mãe, porque tem sentem vergonha da mãe viver maritalmente com um taxista.
    tenho alguns alunos da periferia de São Paulo hoje pilotos de cias aéreas comandantes, outros para ingressar, outros ja voando em cias estrangeiras, outros alunos da minha mulher também da periferia que estudaram em escola e universidade publica entraram nom ITA, medicina da USP entre outras.
    Em quanto isso os revoltadinhos ainda precisam da pensão alimenticia para viver, curtir as suas baladas, seus carrões, manter os seus celulares.
    É sobre estes que me refiro minha querida amiga.
    Bjus e exelente semana;
    Porf aqui ceu overcast, low rain.

  17. bruno,

    não é quase irreversível; é irreversível. Nosso planeta atingiu o ponto máximo de densidade, e é ela que nos embota a consciência. Mas cada um vai se virando como pode.

    E com certeza: nada vale mais do que a vida.

    Viva a vida!
    com café no fim do domingo.

    beijo,
    ml

  18. Entendo, Alpha India.

    O desentendimento e tudo o que leva ao desequilíbrio, ou melhor, a mais desequilíbrio do que já vimos suportando, é sempre desconfortável.

    Desamor, desencanto, descaso; tudo triste, mas inevitável. É num desses eventos que a gente mergulha na alma para buscar força.

    beijo,
    ml

  19. Malú,

    È isso aí! De papo em papo, mesmo que informal, podemos tirar conclusões e mudar nossas vidas.

    “maria lucia:
    31 outubro, 2010 as 20:39
    beto,

    Falo muito e tenho sempre o ímpeto de me revelar, mas estou treinando para falar cada vez menos, porque entendi que é menos ruim calar do que ser ignorado ou incompreendido não é?
    beijo e obrigada por me ouvir,
    ml”

    Fiquei um tempão matutando esta sua resposta e, lembrando de mim e de todas as pessoas que já conheci. Cheio de coragem e humildade vou lhe expor minha conclusão:

    Sorte das faladeiras, de suas vidas e das alheias. Elas sentam em cadeiras. Não deitam em divã!

    A temida pergunta de um terapeuta é: Fale-me sobre vc! Não é?

  20. Mike Lima
    Não sou a favor de qualquer tipo de agressão.
    Porém,
    Nos meus tempos um tipo de terapia muito utilizada pelos nossos pais, avós, tios e que realmente finconava que era uma beleza, rapidinho e barata.
    TAPOTERAPIA.
    Em certos casos……………..
    Bjus

  21. beto,
    pois quem ficou matutando no que vc disse, fui eu.

    respondendo à tua pergunta: o terapeuta nem precisa perguntar nada. O paciente já vem jorrando! Difícil é fazer ele parar. rsrs

    Eu teria muitas palavras para te responder, porque não é tão simples. Principalmente porque já deveríamos saber usar a supra-mente ou mente superior, e ainda nem ouvimos falar nisso, né? Continuamos achando que com a meste material é que vamo resolver os nossos problemas. Não é.

    Mas posso te dizer que falar sobre nós, a nossa intimidade, e nossos sonhos e desejos, é expor tesouros, e não é assim que a gente vai disponibilizando tesouro a torto e a direito. A gente escolhe bem com quem falar, e mesmo assim ainda dá com os burros n’ água quantas vezes!

    Continuo te agradecendo por me ouvir.

    beijo,
    ml

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s