Educação é a prioridade certa

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

 

Se uma das consequências das recentes movimentações de rua for a priorização da educação, como está se configurando, podemos comemorar desde já. A alocação dos recursos escassos, função precípua do governo, tem que ser feita de forma a otimizá-la. Priorizando a educação estaremos melhorando as condições para operar os demais serviços, como saúde, segurança, saneamento básico, habitação, etc. A ampliação do ensino de forma quantitativa e principalmente de forma qualitativa, com professores mais habilitados e com materiais adequados e atualizados, fará com que a população, mais preparada, passe a entender melhor o contexto brasileiro.

 

O caminho da educação é o único para tirar a política do ciclo vicioso atual para um ciclo virtuoso em que a população instruída estará blindada a manipulações. Prova desta hipótese podemos tirar das pesquisas de opinião, que demonstram diferença de avaliação entre os diversos graus de escolaridade. Pesquisa Datafolha, divulgada sábado, ao informar que a aprovação da COPA caiu de 79% para 65% registrou que 26% não aprovam, mas entre os de maior escolaridade este número é de 36%. Esta queda fica explicada ao verificar que 59% das pessoas pesquisadas não concordam com o dinheiro subsidiado emprestado para a construção dos estádios. Como sabemos em 2008 a promessa era de uma Copa com recursos privados, sem dinheiro público. O Datafolha fez perguntas também sobre a Olimpíada e obteve resposta negativa por 25% dos entrevistados. Entretanto, considerando apenas os de nível superior, os que são contra corresponde a 32%.

 

Curioso é que as manifestações que ora preconizam providenciais mudanças, embora originadas pelo passe livre, provavelmente evoluíram pela evidencia da Copa das Confederações. E surge daí um subproduto da COPA 14, digno de ser reverenciado, principalmente pelos mais escolarizados.

 


Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Milton Jung, às quartas-feiras.

4 comentários sobre “Educação é a prioridade certa

  1. Priorizar a educação???

    Como?

    A farra das “matadas” de aula no ensino público vão terminar? (patrocinadas pelos professores)
    As “famosas” licenças concedidas aos professores vão terminar?
    Como fica o plano de carreira?
    Como fica a aferição do conteúdo intelectual do professor?

    Pior:

    Boa parte dos pais acham que a escola é uma extensão de suas casas, logo o professor é que precisa ensinar boas maneiras e educação básica para o aluno.

    Pergunta: Vai continuar essa mentalidade ou vai se conscientizar o pai/mãe de que a responsabilidade é deles?

    Na realidade não vejo muita diferença nesse “investimento” pois esse valor servirá para dar um “cala boca” nas reclamações de que professor ganha pouco e no mais vai ficar 5% melhor somente.

    *e outra: olhem o pátio de estacionamento das escolas públicas e verão somente carro zero e muitos não são 1000 cilindradas não…

    Tem alguma coisa errada nessa história…

  2. A baixa escolaridade do país realmente é consequência do baixo senso crítico da população. Priorizar o ensino, sempre foi a promessa do político.
    Num país desequilibrado socialmente como o nosso, tem relevância o poder judiciário, pois a criminalidade é alta. Essa relevância faz com que o jovem procure qualquer função pública nesse poder pois seus salários são mais que o dobro,na função mais simples, comparada com a de um professor de escola básica pública.
    Que estímulo há para o jovem se formar?
    Além do péssimo salário, que o impede de constituir família, há a falta de estrutura física das escolas e a falta de proteção com que o professor fica em sala de aula: sem qualquer autoridade, pois qualquer repreensão é proibida. Sua função não é respeitada.
    Não precisamos chegar a uma Finlândia, onde a profissão mais procurada é a de professor. Mais que a de médico. Não pelo salário, mas sim pelo respeito a função.
    Aqui, só acredito quando o filho do político quiser ser professor nessas escolas. Como acontecer isso? Que se façam as mudanças necessárias.
    A música que se ouve hoje, é o reflexo da sociedade que temos.
    Onde estão as referências que haviam? Nosso país perdeu isso também.
    Que venham as mudanças e que o professor possa ao menos equiparar seus vencimentos ao do “carteiro do fórum”(oficial de justiça). Oficial de justiça: nome pomposo para função tão básica. Importante aqui, Brasil, repito, pelo desequilíbrio social.

  3. Ezequiel, é exatamente por estas discrepâncias que temos necessidade de grandes investimentos na educação. De verbas, de atenção e de atualização.
    Um primeiro passo é valorizar a profissão de professor e de outro lados, exigir dos alunos estudo e dedicação..
    Ontem , em primeira instância foi aprovada verba de 75% dos royalties do petróleo para a educação.

  4. João Alencar Andrade, é por isso que precisamos de instrução, pois há necessidade de gente que perceba quando o político fala em priorizar a educação ele está querendo dizer que fará o contrário.
    A sua colocação é perfeita.
    Para mudar é preciso haver movimentação popular e, felizmente tudo indica que os resultados começam a vir.
    É bem verdade, que parece inacreditável que neste burburinho há político que usa avião público para passeio particular.
    Temos esperança.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s