Quintanares: Pedra rolada

 

 

Poesia de Mário Quintana
Publicado em Nova Antologia Poética
Interpretado por Milton Ferretti Jung

 

Esta pedra que apanhaste acaso à beira do caminho
– tão lisa de tanto rolar –
é macia como um animal que se finge de morto.

 

Apalpa-a… E sentirás, miraculosamente,
a suave serenidade com que os mortos recordam.

 

Mortos?! Basta-lhes ter vivido
um pouco
para jamais poderem estar mortos

 

– e esta pedra pertence ao universo deles,

 

Deposita-a
no chão,
cuidadosamente…

 

Esta pedra está viva!

 

Quintanares for originalmente ao ar na rádio Guaíba de Porto Alegre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s