De volta às pesquisas eleitorais

 

Por Julio Tannus

 

O Congresso Nacional Brasileiro continua legislando sem qualquer conhecimento de causa; e pior, sem assessoria técnica competente. Em reportagem publicada pelo jornal Folha de São Paulo na quinta-feira, dia 14 de junho de 2012, com chamada em sua primeira página com o título “Proposta torna crime erro em pesquisa eleitoral”, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou um projeto que torna crime a divulgação de pesquisa de intenção de voto até cinco dias antes da eleição quando o resultado final ficar acima da margem de erro prevista.

 

Isto é um imenso absurdo!

 

Conforme já manifestei aqui, no texto intitulado “Pesquisas: instrumentos perfeitos, fins vagos”, uma pesquisa de intenção de voto tem a função, única e exclusiva, de balizamento da opinião pública e demais setores da sociedade interessados no assunto. E jamais de antecipar resultados, pois não se pode antecipar algo que ainda não se constituiu.

 

Citei nesse texto dois autores que fazem referência a diferença entre um depoimento individual isolado em uma data determinada, como é a declaração de intenção de voto, e a deposição do voto no dia das eleições, ocasião em que todos saem as ruas para depositar seu voto nas urnas. Ambos os autores, Gustave LeBon e Roberto DaMatta, abordam a questão, enfatizando essa diferença.
Referi-me também a semântica utilizada para as pesquisas de intenção de voto, que são erroneamente intituladas de “prévias eleitorais”. E aqui volto a reafirmar: não se pode antecipar algo que não se constituiu ainda! E também: não se pode punir alguém por um crime que não existiu!

 

Um bom exemplo do absurdo que essa Comissão da Câmara aprovou seria algo como: a partir de agora todo consumidor que declarar intenção de compra de um produto em uma pesquisa e não o fizer, a empresa de pesquisa comete um crime e será punida. Outro ponto incluído na proposta da Comissão da Câmara refere-se ao aumento da multa para divulgação de sondagens consideradas fraudulentas, e mantém a pena de seis meses a um ano de prisão em caso de fraude.

 

E aqui eu questiono: desde 2004 uma Comissão da Câmara discute a regulamentação da atividade, que é multidisciplinar, e até hoje não temos a mesma regulamentada.

 

E mais… Por que se instituiu o chamado leilão invertido na pesquisa de mercado e nenhum órgão legislativo coibiu ou coíbe? Eu explico: o leilão invertido inicia-se a partir de um convite a empresas de pesquisa para apresentarem suas propostas sobre um determinado projeto. Em dia e hora previamente definidas, as propostas são lidas para os representantes das empresas participantes e a partir do menor valor apresentado a empresa responsável por esse valor deve iniciar o leilão dando um lance, que necessariamente tem que ser menor que o valor contido na sua proposta original. E acontecem situações do tipo: o valor médio das propostas girava em torno de R$ 400.000,00 reais. Após os lances arrematou o projeto para execução a empresa que deu o lance no valor de R$ 85.000,00. Ou seja, “leilão invertido” é uma afronta a seriedade e a competência profissional, e um estímulo a fraude. Por que até hoje não houve qualquer impedimento a esse tipo de leilão por parte de nossa legislatura?

 

…E então concluo:

 

Jamais verás um país como este!

 

Julio Tannus é consultor em Estudos e Pesquisa Aplicada e
co-autor do livro “Teoria e Prática da Pesquisa Aplicada” recém-lançado pela Editora Elsevier na Livraria Cultura. Às terças-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung

10 comentários sobre “De volta às pesquisas eleitorais

  1. Muito bem colocado!!! É mais uma patetice do nosso Congresso que no pouco que faz, faz coisas inúteis ou ilícitas…
    Jamais verás um país como este!

  2. Julio,

    Nossos congressistas estariam se inspirando nos países mais retrógrados em relação a transparência, veja o que acontece na Grécia onde as pesquisas são proibidas de serem divulgadas há alguma semans do pleito. Nesta situação, o esporte preferido dos partidos é divulgar pesquisas particulares totalmente comprometidas.

  3. Milton e André, em 1996 foi fundada em Amsterdam uma organização denominada The Foundation for Information. Essa organização realizou uma pesquisa mundial e publicou um relatório intitulado The Freedom to Publish Opinion Polls. Destaco aqui uma das colocações desse relatório: restrições a pesquisas de opinião não são apenas características de sistemas políticos anti-democráticos… mas qualidade requer liberdade, banir ou obstruir pesquisas de opinião pública viola muitos direitos da cidadania – a liberdade dos pesquisadores em conduzir a pesquisa, a liberdade da imprensa em publicar os resultados, a liberdade das pessoas serem informadas, e o direito das pessoas em expressar sua opinião em uma entrevista.

  4. Será que é falta de conhecimento ou excesso? Buscando objetivos outros?
    Como fica aquelas pesquisas publicadas em importantes veículos de comunicação que não apresentam a metodologia utilizada?
    Este tema das pesquisas, quer eleitorais, quer comerciais sempre será válido. Até que as coisas melhorem.
    Quanto à Grécia, serve de alerta, pois a evolução nunca é garantida. O que será que filósofos e cientistas gregos do passado pensariam dos gregos de hoje?

  5. Júlio,
    Excelente artigo. Os Institutos sérios de Pesquisa sofrem com as aberrações dos não sérios legisladores. Eu imagino a criação de uma lei com o seguinte tema:

    “aquele que não responder a uma pesquisa com a verdade, poderá ser punido a ouvir a “Voz do Brasil” por 24h sem interrupção.”

    Nossos congressistas lembram o homem chulo que ao receber correspondências de sua esposa informando dificuldades matrimoniais mata o carteiro ao invés de ir cuidar das esposas.

    Como garantir seriedade de uma profissão que não existe? Como garantir idoneidade de um segmento sem legislação e organização?

    Somente em um país com a democracia falida como este… e digo democracia falida, pois aqui podemos escolher em quem votar, mas não podemos escolher não votar. É o voto no cabresto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s