Quintanares: “Escrevo diante da janela aberta”

 

 

Poesia de Mário Quintana
Narração de Milton Ferretti Jung

 

Escrevo diante da janela aberta.
Minha caneta é cor das venezianas:
Verde!… E que leves, lindas filigranas
Desenha o sol na página deserta!

 

Não sei que paisagista doidivanas
Mistura os tons… acerta… desacerta…
Sempre em busca de nova descoberta,
Vai colorindo as horas quotidianas…

 

Jogos da luz dançando na folhagem!
Do que eu ia escrever até me esqueço…
Pra que pensar? Também sou da paisagem…

 

Vago, solúvel no ar, fico sonhando…
E me transmuto… iriso-me… estremeço…
Nos leves dedos que me vão pintando.

 

Publicado em A Rua dos Cataventos

Um comentário sobre “Quintanares: “Escrevo diante da janela aberta”

  1. Caro Sr. Milton Ferretti, Jung,

    Duas bênçãos nesta manhã ensolarada de verão: a magia do soneto do grande poeta Mario Quintana e o bálsamo da sua magnífica narração. Que as estrelas privilegiadas dos “JUNG”, pai e filho, jamais
    percam o seu brilho.

    Fraternal abraço.

    Alceu Sebastião Costa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s