Quintanares: Canção do poeta difícil

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretada por Milton Ferretti Jung

 

A minha pena é áspera; a folha, que nem zinco!

 

Onde a cantiga tão doce
Que o meu amor cantava?

 

As palavras ficam-me nas linhas como urubus
plantados na cerca.

 

Quando eu era um passarinho
Morava numa gaiola
Que eu pensava que era um ninho…

 

Mas até onde, até onde eu vou puxar esta carreta?!
Quando eu era pequenino
Não usava ponto-e-vírgula…

 

Onde o arroio tão puro
Que de tão puro sumiu?”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s