Escuto o vento fazendo das árvores bailarinas doidas

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Estou escrevendo o texto para o blog do Mílton bem cedo e me atrevo a falar do tempo. É noite. As previsões não pareciam ser melhores do que nos últimos dias.Assim,porém, como os leigos se enganam quando tratam de temperatura e quejandos,os formados neste assunto também, apesar de todas as traquitanas que usam para não perderem a credibilidade. Eles estão prevendo para amanhã,terça-feira,mais chuva. Ouço, aqui da sala do computador,vento forte como um lutador de boxe em plena forma,soprar com o seu característico ruído. Olho para a rua e vejo as árvores se sacudindo feito bailarinas doidas. Há muitos dias,muitos mesmo,a única coisa que se escutava,ultrapassando com o seu som portas e janelas bem fechadas. Chuva no verão,às vezes, quando não vira temporal,é bem-vinda. Somos,no inverno,principalmente no Rio Grande do Sul,castigados pelo frio. Somente as lojas não se queixam. Vendem roupas quentes,as mais caras. Quem detesta calor,diz que prefere as baixas temperaturas. Seja o gosto que o meu leitor – se é que possuo algum – tem,seja o calor ou o frio,duvido que não tema as chuvas invernais (e infernais) do inverno gaúcho.

 

As cidades próximas de Porto Alegre são as que mais sofrem quando rios e córregos,esses pacatos no verão,rompem as suas margens. Alvorada é uma das mais atingidas pelo mau tempo. O tempo ruim mantinha 1,6 mil pessoas fora de suas casas. O Rio Guaíba,que alguns insistem em chamar de lago (jamais aceitarei este neologismo),contribuiu negativamente com a sua água ao sair do seu leito,embora sem exagero. Exagero foi o que ocorreu em lugares mais distantes do Guaíba,tanto que 25,8mil pessoas ficaram flageladas nos últimos dias. Os jornais noticiavam que várias cidades interioranas,tais como Santa Cruz do Sul,Passo Fundo,Erechim,Caxias do Sul e Porto Alegre estavam até esta segunda-feira ameaçadas de serem castigadas por enchentes.Os rios Gravataí,Sinos e Uruguai,costumam subir quando chove em demasia. A Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil solicitam ação imediata para ajudar desabrigados pelas cheias. A sugestão da Regional Sul 3 é que as 18 dioceses do Estado coletem roupas,alimentos e material de higiene,visando a aliviar o sofrimento dos que necessitaram abandonar as suas casas.

 

Olhando-se ou se pensarmos em todas as pessoas sacrificadas,neste ano mais do que em outros tempos,não perderam apenas suas moradias,mas os objetos domésticos que haviam comprado com enormes dificuldades. Faço um exame de consciência e me sinto mal porque reclamo disso e daquilo,queixo-me quando algo não dá certo,se não posso comprar um automóvel zero quilômetro e assim por diante. Temos de agradecer a Deus e a todos os nossos Santos por não estar sofrendo com enchentes ou obrigados a morar em locais fisicamente perigosos.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Um passeio pelo inverno de São Paulo

 

Por Dora Estevam

 

 

Vá passear no centro de São Paulo e se deixe envolver pela atmosfera de nostalgia criada pelas ruas e costruções antigas e pelos monumentos históricos. A região da Praça da Sé que ainda mantém marcas da época em que era impulsionada pela exportação do café hoje tem perfil bastante diferente. Sua economia é movida pelas muitas lojas, restaurantes e cafés que atraem pessoas de vários lugares do país. Por dia, em toda a área do centro paulistano circulam cerca de dois milhões de pessoas e em torno de 400 mil moram por ali, números calculados pela subprefeitura da Sé.

 

Gosto de caminhar nessa região e encontrar algumas surpresas como o café no Pátio do Colégio, local em que a cidade foi fundada. Além da exposição que conta parte da história de São Paulo e peças do século 16, há espaço para sentar e contemplar, que oferecem conforto aos visitantes. O charme do centro também está no Mosteiro São Bento e no café Girondino, que tem a decoração inspirada no começo do século 20. A praça em frente a Bolsa de Valores de São Paulo tem uma doceria bem charmosa e cheias de clientes ávidos por doces. E em todas as ruas e vias, encontra-se muita gente, que surge de todos os lados, que vem de todos os cantos, que lota as calçadas, toma as ruas, se transforma em um formigueiro.

 

 

Mesmo em uma semana gelada como a que tivemos na cidade de São Paulo, impossível sentir frio em meio a esta multidão. O calor humano prevalece e a visão da história nos aconchega. Para compartilhar com você parte desta sensação, apresento ao longo deste post imagens que fiz ao passear pelo centro paulistano. Faça bom proveito.

 

Dora Estevam é jornalista e escreve de moda e estilo de vida, aos sábados, no Blog do Mílton Jung

O que vão vestir os homens no inverno 2012

 

Por Dora Estevam

 

Enquanto esperamos pacientemente os dias mais frios, separei pra você algumas fotos e filmes que mostram um pouco do que está por vir neste inverno masculino. Uma das peças mais esperadas para é a “Jacket Bomber”, jaqueta inspirada nos uniformes dos aviadores. Renovada por vários estilistas a peça ganhou as prateleiras e as ruas. Particularmente, gosto muito das jaquetas em homens, elas são simples e causam uma boa impressão. As de couro são as mais charmosas.

 

 

Confesso que nos desfiles de moda masculina, tirando os estilistas que trabalham com roupas mais clássicas, acho bem difícil encontrar modelos casuais usáveis. Quase não se vê. O estilo da passarela, então, nem se fale. É roupa em cima de roupa que não dá para o leitor e comprador final (o varejo) entender muito bem. No fim acabam usando as mesmas peças por falta de opção. Ou por não querer sair por ai com cara de passarela. Aqui no Brasil quem brinca bastante com as roupas masculinas é o estilista Alexandre Hechcovitch. A moda que a marca propõe para o inverno é baseada na vestimenta dos judeus ortodoxos. Muita lã, malha, algodão encerado e couro. Se você entende um pouco sobre os costumes da religião vai entender as produções que ele fez na passarela.

 

 

Interessante é o trabalho do estilista Todd Snyder. Ele fez uma coleção inspirada na onda militar moderna de uma forma que dá vontade de encher o armário com as peças dele. Veja o clipe da marca.

 

 

Note também que em termos de estilo os cabelos aparecem bem curtinhos e o acessório para os dias ensolarados que não pode faltar também são óculos.

 

 


Dora Estevam é jornalista e escreve sobre moda e estilo de vida, aos sábados, no Blog do Mílton Jung

Foto-ouvinte: O incrível inverno de São Paulo

 

O frio reclamado por muitos e sofrido por tantos outros também é capaz de provocar imagens incríveis na cidade de São Paulo. Compartilho com vocë, caro e raro leitor deste Blog, fotografias enviadas por ouvintes-internautas da CBN. Aproveitem o lado bom deste inverno:

Inverno paulistano

Ao amanhecer, a cidade tinha uma luz diferente nessa terça-feira, 28.06, e inspirou o astrônomo Ednilson Oliveira. Na imagem, ele destaca a lua e os planetas dividindo a visão de um profissional com sensibilidade para as coisas que estão no céu.

Inverno paulistano

A avenida Paulista se destaca no horizonte e o espigão com prédios e luz é revelado pelo sol do entardecer de segunda-feira, nesta foto de autoria de Luis Fernando Gallo, colaborar frequente deste Blog.

Inverno em Parelheiros

A madrugada com temperatura próxima dos 3º, em Parelheiros, deixou suas marcas no jardim desta casa próxima do Embu Guaçu, pra cá da ferrovia Mayrink Santos, na reserva Monos Capivari-Marsilac-Jardim dos Eucaliptos. E motivou João Cappellano e a filha: “não é preciso ir até o Rio Grande Sul, Santa Catarina ou Campos de Jordão, para ver neve e curtir o frio. É só vir aqui pra região de Parelheiros.”

Na moda do inverno

 

Por Dora Estevam

A calça jeans se renova com olhar nos anos 70 e ganha o nome de flare. É a mesma boca de sino, uniforme da era do Paz e Amor, que está de volta.

Tem cós normal, pouco mais alto, valorizando o corpo da mulher; perna menos justa, proporcionando mais conforto; e a boca larga, começando dos joelhos, dando o ar da moda.

Para variar, a calça já virou febre por todos os lados: NY, London, Milão, Paris, por onde quer que vá as moças estação com elas. E claro, as celebs, também. Sem contar os editoriais ensinando como usar a sua nova calça flare.

As produções com calça e camisa; calça e casaco; não mudam muito. Nas ruas não é diferente, vejam este ensaio:

 

Uma outra proposta é a cintura  peplum, com cós alto e babado. Com tecido abundante na cintura vai depender muito da sua imaginação na hora de vestir.

Eu gosto desta ideia porque tem a possibilidade de colocar um cinto que deixa mais feminino ainda, embora eu já ouvi mulheres dizendo que não gostam de nada “amarrado no meio”.

Vai depender do gosto mesmo. Longa ou curta, com cinto largo ou fino, dá para fazer várias produções.

 

Para cobrir os pés que tal uma botinha bem quentinha? Elas não são nenhuma novidade em se tratando de inverno, mas para este as que estão mais em voga são as de cano curto.

As botas aparecem de várias formas e estilos. O interessante do cano curto é que fica bem com calça ou saia. Aliás, muito bem com saia. No frio forte é só colocar uma meia bem grossa e compor com jaquetas e malhas bem quentinhas; ou fazer a linha mais chic sóbria com saia e blazer, fica bonito também.

 

Estas são algumas das novidades e hits da nova estação.  Espero que gostem.

Dora Estevam é jornalista e escreve sobre moda e estilo de vida, aos sábados, no Blog do Mílton Jung

A cor que favorece seu dia

 

Por Dora Estevam

Pretinho básico from Milton Jung on Vimeo.

 
Nestas viradas de tempo tem dia que fica difícil escolher a roupa para sair de casa, principalmente para quem trabalha fora e tem que estar bem apresentada. E, definitivamente, não dá para repetir a roupa de ontem. Por mais que o “não ligo pra isso” prevaleça, o bom senso fala mais alto. E nesta entre safra também tem aqueles dias em que pela manhã faz frio, a tarde esquenta muito e a noite esfria de novo. Enfim, já estamos mais que acostumadas com isso, afinal estamos no último fim de semana do inverno.

Para não acontecer aqueles erros que só quem já cometeu sabe como é, tipo sair de casa com uma roupa e ficar o dia inteiro se sentindo mal, se olhando, tentando se achar; ou dar uma escapada na hora do almoço para comprar um sapato ou uma blusa nova, a ideia é sempre se lembrar do que é básico e que com certeza não vai te deixar na mão.
 
Que tal para começar a semana falarmos do pretinho arrojado. Com ele você já sabe que não tem erro. A produção estará garantida.
 
Agora, se você tem dificuldade em preparar look até mesmo com o preto, dê uma olhada nas fotos que separei e estão no início do texto. São imagens clicadas por fotógrafos de Londres, Paris, Nova York.

O interessante é que elas foram clicadas nas ruas, são imagens de pessoas que circulam pelas calçadas em dias normais e que estão entrando ou saindo de seus escritórios, não são fotos de desfiles.
 
Portanto, a ideia é despertar a sua criatividade e usar as suas roupas de uma maneira diferente das que você já usa. Sim, pois tem gente que entra na loja, compra um conjunto e para sempre será usado daquele jeito. A pessoa acaba perdendo a oportunidade de criar novos visuais com as mesmas peças.
 
E outra coisa, quando se fala em pretinho básico vem logo aquela imagem do vestido tubinho das passarelas. Aqui não é isso, aqui estou falando sobre moda de rua, a verdadeira versão de quem realmente faz o mercado da moda girar. E quando a gente para pra ver os truques, as ideias, as diferentes maneiras de compor um lenço, um cinto, uma camisa, é realmente incrível. A sensação visual é muito boa. 
 
O básico para um pode ser o preto, para outro o bege, o verde, o marrom, o azul, não importa a cor, o interessante é você saber que ter sempre a cor preferida por perto pode facilitar a vida em algumas horas do seu dia. E ainda te deixar de bom humor.

Hoje a cor escolhida foi o preto, depois falaremos do azul jeans, dos brancos, dos amarelos … Da cor que você preferir.

Fotos: Altamirany; stokholm, style.com,streetfsn.com;

Dora Estevam é jornalista e escreve de moda e estilo no Blog do Mílton Jung

Tendências que as mulheres amam

 

Por Dora Estevam

Moda verão

O verão ainda não chegou oficialmente, mas só este calor que tem feito já deu para ficar à vontade e sentir o gostinho de se soltar nas roupas.

Eu gosto muito do verão. Acho que as pessoas ficam mais animadas, alegres, saem mais de casa, vão mais às compras, comem alimentos mais frescos e se sentem de bem com a vida. Tomam sol, se bronzeiam e usam roupas brancas.

Para a mulher a alegria de vestir roupas coloridas, maquiagem, sobrepor com joias diversas: colares, pulseiras e brincos. Tudo se destaca melhor no corpo com a pele exposta.

Falando em joias, como as pedras brasileiras estão em alta! E as figurinistas das novelas estão de olho nelas. Todas as atrizes, cada uma no seu estilo, estão usando muitas joias e pedrarias maravilhosas. E a variedade que aparece é uma loucura, dá vontade de comprar todas elas: citrino, turmalina rosa, rubi, pedra da lua, água marinha, ametista, turquesa, entre tantas.

Joia brasileira

Quem apostou recentemente em joias com pedras brasileiras foi Fernanda Torres. Ela apresentou o Prêmio Multishow e usou um bracelete de quartzo fume e brincos de cristal incolor, nem precisa dizer o quanto chamou a atenção, arrasou mesmo.

Outro item que também deixa as mulheres enlouquecidas é o esmalte. Minha nossa, eu nunca vi tanta quantidade de cores e marcas novas no mercado. Para todos os gostos. Azul, verde, amarelo, rosa néon, cinza… com várias tonalidades. E se as famosas usam os coloridos, então ai é que pega mesmo. Das celebs as brasileiras ninguém escapa, virou cartão de visita estender as mãos coloridas.

nude

E a cor da roupa: a cor mais procurada no inverno foi a nude, e por ser uma cor (sem cor) de pele, neutra, básica vai continuar sendo usada. Interessante porque o nude é clássico e clássico não sai de moda, somente se renova. Mas não posso deixar de me referir aos azuis, estes misturados com listrados vão fazer muito sucesso por aqui. E a brasileira adora esta combinação.

Outra peça que também foi muito usada no verão passado, neste inverno e pelas fotos do verão europeu vai permanecer na moda é o shorts jeans. A versão que tenho visto é com o cós mais alto e a barra rasgada com um pedacinho do forro do bolso aparecendo. Usadas com sandálias ou clogs.

Sapatos a parte: ancle boot, mini bota e clogs continuam sendo os mais apreciados entre as mais mais. Se elas pedem, quem será contra essa vontade. Vira mania mesmo.

Sai inverno e entra verão e as manias só mudam de cor. A gente fica rezando para não acabar a bolsa predileta, o sapato que ficou bem com tudo, a calça jeans que cai bem no nosso corpo, o baton que fica lindo na boca… é uma loucura.

E você…

Quero saber…

Qual a sua peça datada, predileta que marcou ou que você está de olho para marcar.

Dora Estevam é jornalista e escreve sobre moda e estilo no Blog do Mílton Jung, aos sábados.

Homem quentinho

 

Por Dora Estevam

Bem quentinho e com estilo próprio, é assim que o homem vai passar o inverno brasileiro 2010. E o melhor de tudo, com roupas que tem a sua cara.

Seja para homem clean, clássico, alternativo, moderno ou elegante, tem proposta para todos.

Foto 4Inverno é assim: quando ele está chegando você tira uma pecinha aqui, outra ali, vê o que dá para usar, o que está conservado e o que também não está, o que por algum motivo foi fazê-la parar no fundo do armário.

Ai, vem à velha pergunta: mas isso ainda está na moda?

Bem, posso dizer que você não deve se preocupar com isso, pelo menos neste momento.

Roupa de homem tem sempre um estilo próprio, as peças normalmente são básicas e acabam virando peças-chave no armário. Veja aquele caschemere amarelinho: nossa, tá novinho! Quem bom. Vai evitar um gasto com isso.

E os ternos? Vai ano vem ano e as cores são basicamente as mesmas: preto, cinza, azul marinho, bege. Ah mas ai você me cobra: e as tendências, como ficam ?

É simples: troque as camisas, as gravatas e os sapatos e você terá um novo e eterno terno. A elegância está nas suas escolhas. Caso o terno esteja batidinho ai sim vale a pena comprar um para repor, sem dúvida o terno é o melhor companheiro do homem na hora de fechar o grande negócio.

A dupla infalível é o paletó com jeans. São chics e vão do dia à noite, sem problemas. Também tem a linha jaqueta de couro com calça de algodão, fica lindo. E são modelos que com certeza todo homem tem no guarda-roupa.

Homem também gosta de gastar com roupas, então quando chega o fim de semana correm para os shoppings e não param mais, a listinha é tão longa quanto à das mulheres: vai relógio, cinto, tênis, sacola de academia, uma pólo bem bacana e moderna (dessas inspiradas nos estilos colleges americanos) um belo par de mocassim, o perfume, os óculos de sol e por ai vai.

Foto 5

Na verdade os últimos desfiles mostraram uma tendência muito forte voltada para o lado esportivo, mas uma moda mais grunge, tipo não to nem ai pra nada, e o estilo roqueiro, que não é pra todo mundo.

De qualquer forma vale a experiência de usar o que quer de maneira prática, estilosa e confortável.

Sem deixar ser quentinho.

Dora Estevam é jornalista e escreve aos sábados no Blog do Mílton Jung

Carta aberta à Sra. Secretária Alda Marco Antônio

Escrito por Sebastião Nicomedes, morador de rua e criador de ideias, em São Paulo:

De reuniões em reuniões, a SMADS, Defesa Civil, Samu e outros órgãos (in)competentes vão ganhando tempo. O inverno chegou pesado, as baixas temperaturas tão afligindo a alma dos moradores de rua.

Temperatura acima de 13 graus não é dia considerado de emergência. Mas estamos falando de outro modo de viver. A temperatura das ruas ainda não inventaram. Nas calçadas, o clima é outro, com os ventinhos gelados, chega baixar de zero. O corpo empedra.

Essa madrugada era para ser de emergência. Cadê as viaturas de prontidão na rua? Cadê os cobertores? É sabível, não tem vagas, tem que disponibilizar os agasalhos, garantir a sobrevivência nesses dias em que o alarme é acionado.

Não tá havendo distribuição. A SMADS centralizou ou descentralizou ? Onde estão os cobertores ? Nos Cras ? Nas casas de convivência deveriam ter distribuição. Tem de haver estoques nas Subs para o repasse imediato, tem de estar de prontidão.

Depois não adianta quando morrer gente, os orientadores socioeducativos aparecerem diante da imprensa e apresentar ao delegado a ficha forjada de recusa de ida pro abrigo como é de praxe. Duas testemunhas assinam a recusa. O morto não fala e fica por isso mesmo.

Continuar lendo